Encomendas suspensas devido a excesso de procura

Sem capacidade para responder às "centenas" de encomendas do calendário solidário, os Bombeiros Sapadores de Setúbal suspenderam hoje as reservas através da página do Facebook. Mas estão já a ser criadas alternativas para manter as vendas, cujas verbas se destinam a apoiar uma causa social do distrito.

"Vamos procurar criar pontos de doação e eventos onde as pessoas podem doar quatro euros, ou se quiserem mais, e em troca receberem o calendário", explicou ao DN um dos coordenadores do projeto, Daniel André. O 'mês de julho' lembrou que ainda durante este mês o calendário vai estar também à venda nas instalações do Fundo Social Cultural e Desportivo do Pessoal da Companhia de Bombeiros Sapadores de Setúbal, entidade responsável pelo projeto, divulgado há uma semana pelo DN.

Daniel André garantiu ainda que todos os pedidos feitos até ao primeiro dia do ano, através do Facebook, serão respondidos, apesar de poderem ter algum atraso. "Podem só chegar no final de janeiro." Isto porque estão a braços com um "avultado número de pedidos", cuja resposta personalizada em tempo útil se tem revelado "uma tarefa titânica", referem.

"A nossa profissão é ser bombeiro e não temos tempo para dar uma resposta a toda a gente", justificou o coordenador. Para contornar esta dificuldade, "vão surgir pontos de aquisição a nível nacional, bem como eventos onde os próprios elementos do projeto estarão presentes para aceitar o seu donativo e entregar em mão o seu calendário", pode ler-se na mensagem deixada no Facebook.

O calendário, pioneiro em Portugal, tem feito sucesso nas redes sociais e nos meios de comunicação social.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.