Em três anos, vinha de Lisboa conquista uma medalha de ouro

Vinho Corvos de Lisboa recebeu o primeiro prémio do concurso da ViniPortugal. Cultivado junto ao aeroporto, resulta de uma parceria entre a Câmara e a Casa Santos Lima

Três anos. Este foi o tempo que demorou um terreno abandonado a transformar-se no palco de uma vinha lisboeta premiada. Foram nestes terrenos junto ao aeroporto Humberto Delgado que durante 36 meses as vinhas cresceram, amadureceram e transformaram a primeira vindima - em setembro do ano passado - numa colheita premiada. O vinho batizado como "Corvos de Lisboa", da casta Arinto, recebeu a medalha de ouro no concurso de vinhos de Portugal, da ViniPortugal.

A parceria entre a Câmara Municipal de Lisboa e a Casa Santos Lima dá, assim, os primeiros frutos. Plantada em 2015, a vinha que resultou agora nos "Corvos de Lisboa" foi distinguida entre 1307 vinhos em avaliação. "Esta região vitivinícola merece tudo, tem uma paisagem única", frisa, orgulhoso, o vereador responsável pelo pelouro do Ambiente e Estrutura Verde.

Num ano em que Alenquer e Torres Vedras foram eleitas Cidade Europeia do Vinho, José Sá Fernandes destaca o potencial desta área. "No que diz respeito à relação preço-qualidade, esta deve ser provalvemente a melhor região vitivinícola do mundo; é imbatível."

O autarca realça também a proximidade face à cidade lisboeta."Devem existir muito poucas capitais no mundo, senão nenhumas que têm uma região vitivinícola a vinte minutos de distância como nós temos", relata.

No rescaldo de uma vindima da qual resultaram aproximadamente 19 toneladas de vinho - 14 das castas Touriga Nacional e Tinta Roriz e as restantes de Arinto -, José Luís Oliveira da Silva, presidente do Conselho de Administração da Casa Santos Lima, destaca o retorno ao nível da satisfação não só dos lisboetas como dos turistas portugueses e estrangeiros, com um interesse cada vez maior em conhecerem outras paisagens próximas de Lisboa.
Para o representante da Casa Santos Lima, esta premiação, no maior concurso vitivinícola de Portugal, espelha a aprovação dos especialistas da área perante os resultados desta colheita. "Muito em breve, quando começarmos a comercializar este vinho em grandes superfícies esperamos que seja também do agrado dos consumidores", destaca José Luís Oliveira da Silva.

Nos dois hectares que compõem esta vinha é possível avistar as pistas do Aeroporto de Lisboa. Os representantes da parceria entre a autarquia de Lisboa e a Casa Santos Lima afastam o cenário de possível influência da poluição emitida pelos aviões na qualidade do vinho produzido. "Durante a fermentação das uvas dá-se a eliminação dessas substâncias", garante José Sá Fernandes. A confirmação surge, posteriormente, na análise à uva, à vinificação e ao engarrafamento.

Muitos dos vales da cidade de Lisboa são marcados também por hortas urbanas. Depois de ter sido transformada numa zona verde, a paisagem da vinha do Aeroporto foi completada por uma horta urbana. De acordo com o vereador da Câmara de Lisboa, a adesão tem sido superior à oferta. "Em cada concurso lançado temos quatro vezes mais concorrentes do que parcelas disponíveis para a atribuição", conclui.

Na sequência do sucesso do vinho de Lisboa, Sá Fernandes garante que a ampliação desta vinha está a ser ponderada. O próximo passo será a criação de um grande pomar, capaz de promover a fruta produzida nos concelhos da região Oeste.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.