"Em Fátima estou em paz"

Fiéis como José Cunha procuram no santuário um encontro espiritual

Hotéis renovados, uma imagem bastante positiva e difundida em zonas onde não chegava a mensagem de Fátima. Um ano após o centenário das aparições, cerimónia marcada pela visita do Papa Francisco e pela canonização de Francisco e Jacinta Marto, a face do turismo religioso em Fátima mudou. E muito, como estão a comprovar os peregrinos que chegam à localidade para participar na comemoração das aparições, no dia 13.

Um fim de semana em que os fiéis vão procurar um encontro espiritual. Como José Cunha, que, à Lusa, disse sentir-se ali em paz.

Para Alexandre Marto, presidente da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO), é inegável o impacto mediático extraordinário que a visita papal teve, principalmente junto do mundo católico. O dirigente da ACISO salientou à Lusa que a projeção ocorreu não só a 13 de maio como em todos os dias de 2017. "Tivemos visitas não habituais de países que reforçaram as suas vindas, de peregrinações de dioceses longínquas que escolheram esse ano para vir cá, com a imprensa a dar uma importância a Fátima não apenas na presença do Papa mas durante o resto do ano." Destaque também para a importância de filmes, livros, programas de televisão e diversas produções multimédia nacionais e estrangeiras que ajudaram a divulgar a imagem de Fátima.

A enchente de turistas e os preços elevados praticados em Lisboa beneficiam não só a hotelaria de Fátima como a de todo o território português. De acordo com o presidente da ACISO, a sazonalidade de Fátima é menor, sendo mais esbatida, existindo cada vez menos hotéis fechados em época baixa.

Segundo Alexandre Marto, no desenvolvimento motivado pelo centenário das aparições apenas ficou por fazer a "requalificação urbana de três entradas de Fátima, de Aljustrel e de algumas zonas da cidade-santuário".

Peregrinos já em Fátima

Nos últimos dias, começaram a chegar a Fátima os fiéis para as comemorações de 12 e 13 de maio. Nas imediações do santuário já se avistam acampamentos de peregrinos, assim como diversas autocaravanas estacionadas. Ainda assim, sobram muitos lugares, contrastando com a paisagem registada no ano passado.

Na companhia da mulher, José Cunha, de Vizela, instalou-se atempadamente para acompanhar as celebrações religiosas. Esta não é a primeira vez que o peregrino se desloca à cidade-santuário, local onde afirma sentir-se bem e em paz. Por seu turno, a mulher cumpre uma promessa que cumpre depois de ter ultrapassado um problema nos pés. José questiona se a cura terá sido por milagre, coincidência ou medicamentos, respondendo à sua própria pergunta, de seguida: "Não sei explicar."

A peregrinação ao santuário será presidida pelo cardeal John Tong, bispo emérito de Hong Kong. Amanhã, as cerimónias vão começar às 18.30, na Capelinha das Aparições. Três horas mais tarde é rezado o terço, seguido da procissão das velas e da missa. No domingo decorrerá, a partir das dez horas, a missa, bênção dos doentes e procissão do adeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.