Em Espanha o 8 de março será dia de greve das mulheres. Em Portugal o Bloco apoia

No país vizinho as centrais sindicais estão a dar cobertura a uma paralisação laboral feminina inédita no Dia Internacional da Mulher. Por cá está marcada uma manifestação mas há quem tente obter apoios para a greve

Greve das mulheres ao trabalho, aos cuidados com os filhos, às tarefas domésticas e até às compras. Este é o apelo da Comissão do 8 de Março em Espanha para que o Dia Internacional da Mulher seja celebrado através destes atos de protesto por parte do género feminino. Pela primeira vez, as centrais sindicais espanholas e alguns partidos estão a dar cobertura à ideia de uma paralisação laboral das mulheres. O objetivo do movimento internacional é conseguir a adesão à inédita greve em 177 países.

Em Portugal, a Rede 8 de Março também está empenhada nos contactos diplomáticos com partidos políticos e sindicatos. Mas, para já, a ideia da greve laboral feminina ainda só teve o apoio político declarado do Bloco de Esquerda (BE). "Estamos a tentar falar com os sindicatos para que apoiem a greve das mulheres mas ainda não tivemos respostas. A paralisação é apoiada pelo BE, o único partido que temos confirmado. Mas ainda não fizemos contacto com os outros", afirmou a ativista Adriana Lopera Orta, da Rede 8 de Março. "Mesmo que não haja uma paralisação laboral apoiada pelos sindicatos, temos sempre a possibilidade de apelar à greve das mulheres ao cuidar dos filhos ou ao trabalho doméstico, como também está a ser feito em Espanha. Ou seja, deixar de levar os filhos à escola, de lavar a louça, fazer as camas, não fazer refeições para a família e não consumir ou comprar nada nesse dia", explicou ao DN Adriana Lopera Orta. O consumismo entra na equação por um motivo: "É também uma greve anticapitalista, para além de feminista." Em Portugal, o que já está garantido é a realização de uma manifestação em Lisboa no dia 8 de março, como é habitual.

Em Espanha, o fundamento para a extensão da greve feminina aos cuidados da casa e dos filhos é que as mulheres dedicam o dobro de horas a esse trabalho não pago, com uma média de 26,5 horas semanais para as tarefas domésticas. Se os movimentos feministas conseguirem uma forte adesão das mulheres, mães e trabalhadoras seria algo totalmente inédito, em qualquer país do mundo. Mas em Espanha já estão a ser dados passos mais concretos. "A central sindical espanhola CGT vai convocar uma greve laboral de 24 horas mas generalizada. A maior, que é a UGT, vai fazer um pré-aviso para duas horas de paralisação. Mas é uma convocatória que esperamos que aconteça em 177 países", adiantou Adriana Lopera Orta.

CGTP tem a Semana da Igualdade

A Rede 8 de Março gostava de contar com o apoio dos sindicatos para esta greve, mas não vai ser fácil. Fátima Messias, coordenadora da Comissão da Igualdade na CGTP-Intersindical, explicou ao DN que a central sindical vai ter iniciativas próprias. "Vamos realizar a Semana da Igualdade de 7 a 9 de março com greves setoriais em setores como o têxtil, o comércio, etc. E serão paralisações em todo o país, nos 18 distritos e nas ilhas, e que incluirão os trabalhadores homens", afirmou. "Não fazemos pré-avisos de greve que não tenham sustentabilidade no que são as reivindicações das trabalhadoras nos vários setores laborais", precisou Fátima Messias, deixando bem claro que a central sindical não vai colaborar na organização de uma greve das mulheres generalista. "Mas estamos de acordo com todas as iniciativas que deem visibilidade à causa", concluiu.

Também no Bloco de Esquerda o apoio é manifesto mas o partido demarca-se dos preparativos. "O BE não está a participar na organização da marcha nem da greve de mulheres. A paralisação é convocada internacionalmente. O BE dá o apoio e a solidariedade a estas ações. Mas sabemos que em Portugal seria complicado conseguir o apoio das centrais sindicais para uma greve de um dia inteiro, afinal, o país está ainda em recuperação económica", afirma a deputada bloquista Sandra Mestre Cunha. "Há desigualdade laboral, no acesso ao emprego, nos órgãos de liderança e tomada de decisão. Mas aderir a uma greve laboral implica perda de remuneração", nota.

A Rede 8 de Março teve origem na organização da Marcha pelo Fim da Violência contra as Mulheres, a 25 de novembro de 2011.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.