Elina Fraga e Guilherme Figueiredo na 2.ª volta das eleições para Ordem

A votação da segunda volta decorre no dia 6 de dezembro

Elina Fraga e Guilherme Figueiredo foram os dois candidatos mais votados nas eleições de sexta-feira para o cargo de bastonário da Ordem dos Advogados e vão disputar uma segunda volta.

A atual bastonária Elina Fraga obteve 8.706 votos e Guilherme Figueiredo conseguiu 7.838 votos, uma diferença de 868 votos.

Segundo os resultados eleitorais disponíveis no site da Ordem dos Advogados, no total votaram 21.316 profissionais para o cargo de bastonário e para o Conselho Geral.

O candidato Jerónimo Martins obteve 1.374 votos e Varela Gomes 973. Houve ainda mais de dois mil votos em branco e 316 nulos.

Ao contrário das eleições de 2014, neste ato eleitoral para o triénio 2017-2019 não é automaticamente eleito o candidato mais votado, sendo necessário obter mais de metade dos votos para que isso aconteça. Não obtendo nenhum candidato mais de 50 por cento dos votos há, obrigatoriamente, uma segunda volta entre os dois candidatos mais votados.

A votação da segunda volta para decidir a eleição do bastonário e do Conselho Geral da Ordem dos Advogados decorre no dia 6 de dezembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.