"É importante que hospitais encarem princípio de livre escolha como uma oportunidade"

Em entrevista ao DN, Ricardo Mestre, vogal do Conselho Diretivo da ACSS, garante que hospitais têm vindo aumentar o seu desempenho assistencial

Os dados da ACSS mostram uma grande concentração das escolhas dos doentes para consultas de especialidades nos grandes hospitais de Lisboa e Porto. A lei do livre acesso coloca uma grande pressão sobre essas unidades? Como têm esses hospitais respondido em termos de produção e tempos de espera?

Os hospitais públicos têm vindo a aumentar o seu desempenho assistencial, em resposta ao crescimento da procura que se tem registado no SNS. Esta é uma realidade transversal a todo o país, que assume especial relevo nos grandes hospitais de Lisboa e Porto, que são os mais procurados, mas que também são aqueles que têm uma maior flexibilidade para ajustar a sua resposta a essa procura por parte dos cidadãos. De qualquer das formas, parece-nos importante que todos os hospitais possam encarar este princípio de livre acesso como uma oportunidade para continuarem a aumentar a qualidade e a eficiência das suas respostas, tornando-se cada vez mais atrativos e oferecendo aos cidadãos, em tempo adequado, os cuidados que eles procuram.

Tendo por base esses tempos de espera, continuamos a ter consultas com prazos muito acima do recomendado, com casos extremos de três anos para dermatologia, no Hospital de Aveiro, que se queixa de falta de profissionais. A liberdade de escolha ajudou a melhorar a situação nessas especialidades e como se pode combater esse problema?

Os tempos de resposta para as consultas externas têm vindo a melhorar de forma consistente a nível nacional na maioria das especialidades, como são o caso da oncologia, da otorrinolaringologia, da gastroenterologia, da cirurgia geral, da medicina interna, da reumatologia, entre outras. Há ainda hospitais e especialidades onde os tempos de resposta têm de continuar a melhorar. O aumento de recursos humanos que se tem registado nos hospitais do SNS é um fator importante para essa melhoria, assim como são os vários instrumentos de gestão que estão disponíveis e que permitem aos hospitais ajustar a sua capacidade de resposta, com destaque para os pagamentos acrescidos aos profissionais que façam atividade adicional dentro do SNS, para a criação dos centros de responsabilidade integrados (CRI), para as transferências de consultas entre os hospitais do SNS e para os modelos inovadores de prestação de cuidados que estão associados à TeleSaúde e às respostas na comunidade. O caso da dermatologia é um bom exemplo de como a inovação organizacional e das práticas clínicas contribui para a melhoria do acesso e da resolutividade no SNS. Esta é uma especialidade que tradicionalmente tem dificuldades de resposta atempada e onde os ganhos que a implementação do telerastreio dermatológico são evidentes em vários hospitais, o que justifica o alargamento desta solução que se encontra em curso em todo o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.