"É importante garantir um contrato de trabalho e proteção social"

Eurodeputada Maria João Rodrigues falou esta terça-feira na conferência que assinala os 153 anos do DN, numa mesa onde estiveram Silva Peneda e Marinho e Pinto

"É importante garantir que qualquer pessoa tenha acesso a duas coisas básicas: um contrato de trabalho e proteção da segurança social ao longo da vida". Exigências defendidas pela eurodeputada do PS Maria João Rodrigues, na manhã desta terça-feira no segundo dia das conferências que assinalam os 153 anos do Diário de Notícias.

Um debate em que também participaram o ex-ministro e conselheiro da Comissão Europeia Silva Peneda e o eurodeputado do PRD Marinho e Pinto, e que necessariamente passou sobre o papel do Estado e a importância do Estado Social.

Maria João Rodrigues defende novos modelos de financiamento da Segurança Social, que não incidem apenas sobre o trabalho mas mais sobre a riqueza e que, por isso mesmo, sejam transversais aos empregos que a pessoa vai tendo ao longo da vida.

Defendeu também uma nova divisão do tempo de trabalho e do tempo familiar. Princípios com os quais os outros intervenientes estiveram, na generalidade, de acordo, num mesa moderada pelo diretor-adjunto do DN Paulo Tavares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.