Dos porta-chaves à produção de osso. O que fazem as impressoras 3D em Portugal

Nos laboratórios da 3Bs, ligada à Universidade do Minho, testam-se soluções para a área da saúde e nas lojas vende-se de tudo um pouco. O mercado está a crescer

São uma novidade em Portugal e no mundo. As impressoras 3D estão a revolucionar o mercado. É possível imprimir um pouco de tudo: desde capas de telemóvel, porta-chaves, a osso ou cartilagem. Tudo isto já se faz em Portugal.

A 3D Spot tem portas abertas no Cais do Sodré, Lisboa. O sucesso do momento, conta Rafael Falcão, diretor executivo, são réplicas em miniatura da pessoa. "Temos um scanner 3D que através dos sensores tira a imagem da pessoa. Demora 5 a 10 minutos. Os designers fazem o modelo e mandam imprimir. O prazo de entrega é de duas a três semanas e vai para casa da pessoa. A peça pode ter várias cores e custa 120 euros", diz Rafael Falcão.

É nos laboratórios da 3Bs, empresa ligada à Universidade do Minho, que se testam impressões para fazer osso e cartilagem. "Imprimimos uma estrutura tridimensional, que pode ser plásticos biodegradáveis ou de origem natural, com a forma do que queremos regenerar. Depois forramos com células estaminais do próprio paciente, que colocamos em cultura para que se possam diferenciar e produzir osso, cartilagem ou pele", refere Rui Reis, responsável da 3Bs.

Leia mais no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.