Dos porta-chaves à produção de osso. O que fazem as impressoras 3D em Portugal

Nos laboratórios da 3Bs, ligada à Universidade do Minho, testam-se soluções para a área da saúde e nas lojas vende-se de tudo um pouco. O mercado está a crescer

São uma novidade em Portugal e no mundo. As impressoras 3D estão a revolucionar o mercado. É possível imprimir um pouco de tudo: desde capas de telemóvel, porta-chaves, a osso ou cartilagem. Tudo isto já se faz em Portugal.

A 3D Spot tem portas abertas no Cais do Sodré, Lisboa. O sucesso do momento, conta Rafael Falcão, diretor executivo, são réplicas em miniatura da pessoa. "Temos um scanner 3D que através dos sensores tira a imagem da pessoa. Demora 5 a 10 minutos. Os designers fazem o modelo e mandam imprimir. O prazo de entrega é de duas a três semanas e vai para casa da pessoa. A peça pode ter várias cores e custa 120 euros", diz Rafael Falcão.

É nos laboratórios da 3Bs, empresa ligada à Universidade do Minho, que se testam impressões para fazer osso e cartilagem. "Imprimimos uma estrutura tridimensional, que pode ser plásticos biodegradáveis ou de origem natural, com a forma do que queremos regenerar. Depois forramos com células estaminais do próprio paciente, que colocamos em cultura para que se possam diferenciar e produzir osso, cartilagem ou pele", refere Rui Reis, responsável da 3Bs.

Leia mais no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".