Dos porta-chaves à produção de osso. O que fazem as impressoras 3D em Portugal

Nos laboratórios da 3Bs, ligada à Universidade do Minho, testam-se soluções para a área da saúde e nas lojas vende-se de tudo um pouco. O mercado está a crescer

São uma novidade em Portugal e no mundo. As impressoras 3D estão a revolucionar o mercado. É possível imprimir um pouco de tudo: desde capas de telemóvel, porta-chaves, a osso ou cartilagem. Tudo isto já se faz em Portugal.

A 3D Spot tem portas abertas no Cais do Sodré, Lisboa. O sucesso do momento, conta Rafael Falcão, diretor executivo, são réplicas em miniatura da pessoa. "Temos um scanner 3D que através dos sensores tira a imagem da pessoa. Demora 5 a 10 minutos. Os designers fazem o modelo e mandam imprimir. O prazo de entrega é de duas a três semanas e vai para casa da pessoa. A peça pode ter várias cores e custa 120 euros", diz Rafael Falcão.

É nos laboratórios da 3Bs, empresa ligada à Universidade do Minho, que se testam impressões para fazer osso e cartilagem. "Imprimimos uma estrutura tridimensional, que pode ser plásticos biodegradáveis ou de origem natural, com a forma do que queremos regenerar. Depois forramos com células estaminais do próprio paciente, que colocamos em cultura para que se possam diferenciar e produzir osso, cartilagem ou pele", refere Rui Reis, responsável da 3Bs.

Leia mais no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.