Dois militares da GNR detidos por tráfico de droga

Os dois militares prestam serviço na cidade do Peso da Régua

Dois militares da GNR estão entre os quatro detidos numa operação de combate ao tráfico de droga desencadeada pela Guarda Nacional Republicana (GNR) no distrito de Vila Real, anunciou esta terça-feira a instituição.

O Comando Territorial da GNR de Vila Real informou, em comunicado, que no âmbito de uma investigação por tráfico de droga foram detidos na segunda-feira quatro homens, dois dos quais são militares.

Os detidos possuem idades compreendidas entre os 24 e os 35 anos. Os dois militares, de 26 e 34 anos, prestam serviço na cidade do Peso da Régua.

Fonte judicial disse à agência Lusa que um dos guardas, de 34 anos e residente em Vila Real, já foi alvo de um processo de dispensa de serviço, devido a mau comportamento reiterado, que está para decisão do Ministério da Administração Interna há cerca de um ano.

A investigação ao caso de tráfico de droga, que culminou agora com as quatro detenções, começou em 2017 e foi delegada pelo Ministério Público à própria GNR.

Os dois militares vão ser alvo de um processo disciplinar interno.

Em comunicado oficial, a GNR referiu que, através de elementos do Núcleo de Investigação Criminal do Destacamento de Vila Real, foram realizadas quatro buscas domiciliárias nos concelhos de Vila Real, Vila Pouca de Aguiar e Aveiro.

Na sequência das buscas foram aprendidas 265 gramas de folhas de canábis, 236 gramas de cocaína, 104 gramas de haxixe, 29 gramas de metanfetaminas, cinco gramas de cogumelos alucinogénios e nove selos de LSD.

Os detidos vão ser presentes quarta-feira no Tribunal de Vila Real para aplicação de eventuais medidas de coação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.