Dois médicos e uma farmacêutica detidos por burlarem um milhão ao SNS

Passavam receitas falsas e ficavam com a taxa de comparticipação dos medicamentos

A Polícia Judiciária deteve dois médicos, de 45 e 57 anos de idade, e uma farmacêutica, de 36 anos, por suspeita de burla ao Serviço Nacional de Saúde. Em comunicado, a PJ revela que os três foram detidos por crimes de falsificação de documento agravada e burla qualificada, tendo lesado o SNS num valor "próximo de um milhão de euros". Em causa, explicam as autoridades, está um esquema fraudulento que passava pela emissão de receitas médicas fictícias, fazendo reverter para os suspeitos a taxa de comparticipação dos medicamentos.

Na operação da PJ foram realizadas dez buscas, entre domiciliárias e não domiciliárias, tendo sido apreendido diverso material relacionado com "a prática da atividade criminosa em investigação", refere a polícia, acrescentando apenas que os suspeitos foram detidos na zona centro do país. Os autos correm no DIAP de Tomar, tendo a operação decorrido através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção (UNCC), no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público (DIAP de Lisboa).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.