Dois deputados solidários com Sócrates

Em notas no Facebook, Renato Sampaio e Isabel Santos aconselharam ao PS "contenção verbal" e "serenidade" em tudo o que envolva Sócrates

Deputado e presidente da concelhia do PS do Porto, Renato Sampaio considerou "hoje é um dia muito triste" por causa da notícia de que José Sócrates se desfiliou do PS.

"Ao contrário de outros, nunca reneguei as minhas amizades, nunca as renegarei em qualquer circunstância, a amizade é um valor que me ensinaram a preservar, José Sócrates é meu amigo e meu camarada", escreveu o parlamentar.

Acrescentando: "Como militante socialista sempre impus a mim próprio uma rigorosa contenção verbal, é o que o PS precisa no momento que atravessamos quando estamos em vésperas de um importante congresso, por isso é indispensável manter a serenidade, é o que farei e até lá nem mais uma palavra a não ser dizer que hoje é um dia muito triste".

Já Isabel Santos, eleita deputada do PS pelo círculo do Porto (como Renato Sampaio), escreveu que "não se apagam incêndios com gasolina!"
O PS - sublinhou - necessita "de serenidade para enfrentar o congresso que se avizinha". Para concluir: "Por isso, até lá, não reagirei. Apenas continuarei a afirmar que Sócrates é meu amigo e camarada e que sempre recusarei linchamentos em praça pública."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.