Dois deputados solidários com Sócrates

Em notas no Facebook, Renato Sampaio e Isabel Santos aconselharam ao PS "contenção verbal" e "serenidade" em tudo o que envolva Sócrates

Deputado e presidente da concelhia do PS do Porto, Renato Sampaio considerou "hoje é um dia muito triste" por causa da notícia de que José Sócrates se desfiliou do PS.

"Ao contrário de outros, nunca reneguei as minhas amizades, nunca as renegarei em qualquer circunstância, a amizade é um valor que me ensinaram a preservar, José Sócrates é meu amigo e meu camarada", escreveu o parlamentar.

Acrescentando: "Como militante socialista sempre impus a mim próprio uma rigorosa contenção verbal, é o que o PS precisa no momento que atravessamos quando estamos em vésperas de um importante congresso, por isso é indispensável manter a serenidade, é o que farei e até lá nem mais uma palavra a não ser dizer que hoje é um dia muito triste".

Já Isabel Santos, eleita deputada do PS pelo círculo do Porto (como Renato Sampaio), escreveu que "não se apagam incêndios com gasolina!"
O PS - sublinhou - necessita "de serenidade para enfrentar o congresso que se avizinha". Para concluir: "Por isso, até lá, não reagirei. Apenas continuarei a afirmar que Sócrates é meu amigo e camarada e que sempre recusarei linchamentos em praça pública."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.