Doentes faltam às consultas devido às despesas

O bastonário da Ordem dos Médicos revelou hoje que cerca de 50% dos médicos afirmam que os "doentes faltam mais às consultas" devido aos custos com taxas moderadoras e transportes, conclui um inquérito realizado em 2013.

Além das faltas a consultas, mais de 60% dos médicos questionados "deparam-se com o abandono frequente de terapêuticas no Serviço Nacional de Saúde (SNS)" devido "à incapacidade financeira invocada pelos doentes", sublinhou José Manuel Silva, bastonário da Ordem dos Médicos.

O bastonário falava em Coimbra onde divulgou os resultados de um inquérito realizado em parceria entre o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE) e a Ordem dos Médicos (OM).

O mesmo estudo revela também que "um terço dos médicos deixam de prescrever medicamentos com frequência no SNS devido à incapacidade financeira invocada pelos doentes", referiu o bastonário.

Quanto à qualidade dos serviços prestados no Serviço Nacional de Saúde, 65% dos médicos "afirmam que nas respetivas instituições existem faltas recorrentes de material para o exercício da profissão", cerca de 60% dos profissionais "consideram que a qualidade do SNS foi afetada pelo "menor acesso a atividades de formação" e 80% afirmam ter "menos tempo para orientação de internos".

O questionário mostra ainda que 80% dos médicos inquiridos "considera que os cortes já aplicados no financiamento do SNS" comprometeram "a qualidade e acessibilidade dos cuidados", salientou.

Segundo José Manuel Silva, "não vale a pena discutir a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde, quando não há sustentabilidade do país".

"Temos a classe política menos bem preparada e menos honesta da Europa", criticou, considerando que é necessário mudar essa classe para que "o país e o SNS tenham futuro".

O bastonário falava numa cerimónia de comemoração dos 35 anos do SNS em Coimbra, dinamizada pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos, em que se procedeu à rega da "Oliveira do Serviço Nacional de Saúde".

Os dados revelados por José Manuel Silva referem-se a um projeto de investigação coordenado por Tiago Correia, do ISCTE, e pelo bastonário, em que foi enviado um questionário a todos os médicos inscritos na Ordem, tendo respondido 3448 médicos.

Os resultados apresentados reportam-se apenas aos 1631 inquéritos "já validados".

Na cerimónia de comemoração dos 35 anos do SNS estiveram também presentes o antigo ministro socialista, António Arnaut, o presidente da secção regional, Carlos Cortes, o presidente da Câmara de Coimbra, Manuel Machado, a presidente da Liga dos Amigos dos Hospitais da Universidade de Coimbra, Isabel Garcia e o reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, entre outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.