Doentes faltam a tratamentos com medo de perder emprego

Falta de dinheiro para os transportes e medo de perderem o emprego são os motivos para que doentes, interessados na terapia, faltem ao tratamento da dor.

Especialistas em dor crónica denunciaram que há doentes graves que faltam às terapias da dor por falta de dinheiro para os transportes e outros pedem para fazer o tratamento em horário pós-laboral com medo de perder o emprego.

"Nós temos doentes muito doentes, mas muito doentes, que são o ganha-pão da família e continuam a trabalhar até puderem para não faltarem ao trabalho", contou à agência Lusa Beatriz Craveiro Lopes, diretora da Unidade da Dor do Hospital Garcia de Orta e da direção da Associação para o Desenvolvimento da Terapia da Dor.

Na Unidade da Dor do Hospital Garcia de Orta, em Almada, são traçados planos terapêuticos para cada doente, que reúnem várias técnicas para aliviar a dor, como radiofrequências, neuroestimulação, reiki, psicodrama, musicoterapia, mas nem sempre são possíveis de cumprir por falta de disponibilidade do paciente.

"Muitas vezes há alguma dificuldade, não porque o doente não esteja interessadíssimo e empenhadíssimo" em fazer o tratamento, mas porque para o fazer "tem de se ausentar das suas atividades laborais" e eles "têm imenso medo de perder o emprego", explicou a anestesiologista.

Contou ser frequente os doentes perguntarem se é possível fazer o tratamento em horário pós-laboral, um problema que os profissionais tentam gerir, mas que é difícil porque os horários estão estabelecidos (08:00/18:30).

"São tantos os doentes nestas condições que é confrangedor e nós sentimo-nos impotentes, porque também não temos muita margem de manobra, porque há horários institucionais que não podemos alterar", explicou.

Também há casos de alguns doentes que, apesar de estarem "empenhadíssimos no seu tratamento", faltam à consulta por falta de dinheiro para os transportes.

Algumas vezes tenta-se resolver a situação através de uma consulta pelo telefone para evitar a deslocação do doente, mas nem sempre é possível, disse Beatriz Craveiro Lopes, sublinhando que "é mais uma arma para defender os doentes".

Cláudia Costa, psicóloga clínica da União Humanitária dos Doentes com Cancro, contou à Lusa que são muitos os casos de doentes oncológicos que continuam a trabalhar para não perderem o emprego, mas há situações em que isso acaba por acontecer e para se resolver esta questão "demora anos".

Há doentes com dificuldades financeiras que "não se podem dar ao luxo de estar de baixa, porque têm filhos para criar, família para ajudar e não têm dinheiro para comer", disse Cláudia Costa, rematando que são "muitas as situações que fazem com que as pessoas vão trabalhar mesmo num estado precário".

"Já não basta estarem doentes e ainda têm de trabalhar, sem vontade nenhuma", lamentou a psicóloga, defendendo que "devia haver mais apoio a nível psicológico no trabalho e mais compreensão".

"Somos humanos e pode acontecer a qualquer um", sustentou.

Há ainda casos em que o doente, para "não se sentir um fardo, vai trabalhar, mesmo num estado de saúde lastimoso, degradado, desnutrido, afetiva e emocionalmente afetado e, às vezes, sem o apoio familiar devido", contou.

Para Cláudia Costa, o Estado deveria ajudar mais todos os doentes crónicos: "Os tratamentos são muito caros, as pessoas demoram muito tempo para ter uma consulta, para fazer o tratamento, outras vezes são esquecidas, os exames trocados. Isto é a realidade e a realidade tem de ser dita".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?