Doentes do Hospital São José não serão prejudicados por falta de radiologistas à noite

O Centro Hospitalar de Lisboa Central alerta que a solução da telerradiologia tem de ser limitada e transitória, uma vez que só funciona das 00:00 às 08:00, período em que existe uma redução do número de exames

O Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) assegurou esta quinta-feira que os utentes do Hospital de São José não vão ser prejudicados pelo recurso à telerradiologia, salientando, contudo, que esta é uma "solução limitada e transitória".

Na quarta-feira, a Ordem dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos denunciaram que o Hospital de São José, em Lisboa, vai deixar de ter, a partir de 01 de junho, um médico radiologista no local durante o período noturno.

Numa resposta enviada à agência Lusa, o CHLC lembrou que o recurso à telerradiologia "é comum nos hospitais", quer em Portugal, quer internacionalmente, tratando-se de uma "boa prática de recursos humanos para a tarefa de produção de relatórios de imagiologia".

"Não há prejuízo para os utentes nem quaisquer perdas de tempo ou qualidade face aos relatórios de exames produzidos pelos médicos residentes", é referido.

Para o CHLC, a "solução tem, no entanto, de ser limitada e transitória, o que acontece neste caso, na medida em que a telerradiologia só ocorre das 00:00 às 08:00, período em que o número de exames é reduzido".

De acordo com a nota, no restante horário, os exames e respetivos relatórios são assegurados pelos radiologistas do CHLC.

O CHLC realça que na sua prática clínica, nomeadamente no atendimento urgente, os médicos consultam os exames solicitados e, complementarmente, os relatórios produzidos por especialistas.

Segundo o CHLC, estes relatórios podem ser realizados por médicos do CHLC ou recorrendo a serviço exterior.

"Além do cumprimento rigoroso de prazos, os profissionais que executam no exterior os relatórios de exames ficam disponíveis, por contrato, a prestar todos os esclarecimentos adicionais que forem considerados necessários pelos colegas prescritores", é ainda referido.

Na quarta-feira, Alexandre Valentim Lourenço, do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, disse à Lusa que "segundo um despacho interno, a radiologia e a neurorradiologia, entre as 00:00 e as 08:00, vão ter técnicos a efetuar os exames, que depois vão ser avaliados por um médico via telemedicina". "Durante este período não estará um radiologista no local", disse à Lusa Alexandre Valentim Lourenço.

Este representante da Ordem esteve na quarta-feira à noite a fazer uma visita ao hospital de São José, referindo que esta é uma decisão "impensável de ser tomada", num hospital que tem uma das maiores urgências do país.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM), em comunicado, também condena a situação prevista, salientando que pode "pôr em risco os doentes e a potenciar a possibilidade de erro médico".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.