Em 2016 doenças circulatórias e tumores causaram a morte a mais de metade de 110 mil pessoas

Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) revelam que mais de 36% dos óbitos aconteceram antes dos 70 anos

Doenças do aparelho circulatório e tumores malignos foram os responsáveis por mais de metade das 110.970 mortes registadas em Portugal em 2016, divulgou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

As doenças circulatórias mataram mais mulheres, fazendo 32.805 vítimas (55,1 por cento), do que homens, com a idade média de morte nos 81,1 anos.

Em relação a 2015, houve uma pequena descida de 0,2%, mas mesmo assim perderam-se 47.923 potenciais anos de vida para as doenças circulatórias.

Em "Causas de Morte 2016", os números do INE traduzem um aumento de 2,7 por cento nas mortes por tumor maligno em relação a 2015, subindo para 27.357, com uma idade média de 73,1 anos e custando 111.072 potenciais anos de vida perdidos para as doenças.

Os tumores malignos da traqueia/brônquios/pulmão e os do cólon, reto e ânus foram os mais mortíferos, tirando a vida a mais de 8.000 pessoas.

As doenças do aparelho respiratório fizeram 13.474 mortes em 2016, mais quatro do que no ano anterior, atingindo mais os homens (52,2%), e em 9,9% dos casos, antes dos 70 anos, custando 14.963 anos potenciais de vida.

Mais de 36% das mortes aconteceram antes dos 70 anos.

A quase totalidade das mortes deveu-se a doenças, mas 4,4% aconteceram por "causas externas de lesão e envenenamento", 2,6% por acidentes e 0,9% por suicídio.

Os 981 suicídios em 2016 representaram uma descida de 13,3% em relação ao ano anterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.