Distrital PS/Porto vê em Costa "oportunidade única" para cumprir descentralização

Manuel Pizarro diz que António Costa percebe "bem a importância de uma governação próxima dos cidadãos"

O novo presidente da distrital do PS/Porto, Manuel Pizarro, afirmou hoje querer tornar esta federação no "navio almirante" do partido a nível nacional e lembrou que esta legislatura é uma "oportunidade única" para cumprir a agenda de descentralização.

"Temos finalmente um primeiro-ministro que acredita na regionalização. António Costa, porventura por ter sido presidente de uma câmara municipal, percebeu bem a importância de uma governação próxima dos cidadãos", afirmou o socialista que hoje foi eleito para suceder a José Luís Carneiro na maior federação distrital do PS.

O também vereador da Câmara do Porto comprometeu-se a "apoiar um Governo que coloca no centro das suas preocupações uma agenda pela descentralização" e defendeu a necessidade de a distrital ser capaz "de marcar pela positiva, com propostas politicamente justas e tecnicamente bem sustentadas".

"Temos uma oportunidade única para cumprir neste mandato e nesta legislatura" a descentralização, frisou Manuel Pizarro para quem "Afirmar o PS significa afirmar a maior federação distrital do PS no país como o navio almirante do Partido Socialista".

O agora líder da distrital, que admitiu não encarar a nova missão "como um ato individual ou solitário", frisou ainda que o partido tem de ser capaz de demonstrar que é diferente e "o partido que olha para o país numa perspetiva de coesão nacional".

"Nós nunca nos comportaríamos como se comportaram os dirigentes locais do PSD e do CDS que durante os últimos quatro anos, até do sotaque tinham vergonha para defender as nossas causas", criticou.

Os militantes socialistas do distrito do Porto deslocaram-se hoje às mais de 80 secções de voto disponíveis para eleger um novo presidente da Federação Distrital do Porto do Partido Socialista.

Manuel Pizarro era o único candidato à sucessão a José Luís Carneiro na presidência do PS/Porto, tendo-se apresentado a esta eleição com uma moção de estratégia que tem por lema "Afirmar o PS, Mobilizar o Norte".

No início do seu discurso, na sede da federação, Pizarro assumiu ainda não ter o resultado final das votações, uma vez que "votaram nestas eleições cerca de cinco mil militantes socialistas do distrito do Porto".

"Esta enorme participação em todo o distrito tem um significado, significa que a esmagadora maioria dos militantes socialistas se identificam com as ideias que propusemos nesta candidatura [e] que se podem resumir no nosso lema, afirmar o PS para mobilizar o Norte", destacou, prometendo ainda ser uma "força serena, inteligente, militada, a favor de um Governo que se afirma na vida política do país pela sua diferença".

Ainda em críticas à oposição social-democrata, Manuel Pizarro afirmou que "cada vez que o Governo cumpre mais uma das suas promessas, o medo deles é que os cidadãos se lembrem do contraste que foi com o governo que em 2011 se empenhou em fazer tudo ao contrário do que tinha dito em campanha eleitoral".

"Nós apoiamos um Governo e um primeiro-ministro que cumprem o que disseram na campanha eleitoral e isso explica muita da acrimónia da direita e do PSD", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.