Discute-se hoje o Orçamento com aprovação garantida pela esquerda

Acompanhe em direto, esta tarde, no DN

A proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016) começa hoje a ser discutida na Assembleia da República, depois de Os Verdes, Bloco de Esquerda e PCP terem anunciado que vão votar favoravelmente o documento, na generalidade.

O início da discussão da proposta de OE2016 está marcado para hoje, devendo prolongar-se por terça-feira, quando ocorrerá a votação na generalidade.

A proposta de OE2016 seguirá, depois, para apreciação na especialidade, com debate marcado para 10, 14 e 15 de março. A votação final global está marcada para 16 de março.

Durante o fim de semana, Os Verdes, o Bloco de Esquerda e o PCP anunciaram o voto a favor na generalidade, frisando, contudo, que se vão bater pela introdução de alterações ao documento, durante o debate na especialidade.

A líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, anunciou no domingo o voto favorável, adiantando que, na especialidade, o partido se vai bater essencialmente pela inclusão de três medidas: o reforço do Complemento Social para Idosos, a majoração do abono de família para os três escalões de menor rendimento e a assunção pela EDP da tarifa social da energia.

No mesmo dia, o secretário-geral comunista, Jerónimo de Sousa, anunciou o mesmo sentido de voto, alertando que o "PCP vai intervir com determinação no debate na especialidade", defendendo o "aumento real do valor das pensões de reforma, o alargamento das condições de atribuição do subsídio social de desemprego, o não aumento das propinas, a introdução progressiva da gratuitidade dos manuais escolares e a redução da taxa de IMI".

No sábado, o deputado José Luís Ferreira de Os Verdes anunciou o voto a favor do orçamento, na generalidade, salientando que tal não vai inibir o partido de apresentar propostas da especialidade que consideram justas e que vão começar já a trabalhar.

Encabeçando um Governo minoritário, o PS vai precisar do apoio destes seus 'parceiros' à esquerda no parlamento, para fazer aprovar o documento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.