Diretores exigem mais poder na contratação de escolas

Nuno Crato quer docentes colocados mais cedo nas escolas e já chamou os diretores para discutir os concursos extraordinários.

O ministro da Educação prometeu que o próximo ano letivo seria preparado mais "atempadamente" e começou a fazê-lo ainda durante o primeiro período deste ano. Com dois concursos extraordinários de professores marcados para 2015 e depois dos erros e atrasos nas colocações dos contratados, o ministério decidiu ouvir, pela primeira vez, os diretores das escolas para discutir o próximo ano letivo. Estes pediram mais poder na contratação dos professores.

Chamados à Direção Geral da Administração Escolar (DGAE), em dezembro, os representantes dos diretores pediram que na contratação feita pelas escolas TEIP (Territórios Educativos de Intervenção Prioritária) e com autonomia se volte a "confiar mais nos diretores para que coordenem as contratações e que em vez de tranches de cinco candidatos para as entrevistas possamos chamar 20 de cada vez para o processo ser mais rápido", explica o presidente da assembleia-geral da Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP). Adelino Calado acrescenta que os diretores defenderam também que "a rede escolar esteja definida até ao final de maio" e as turmas fechadas até 31 de julho.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Tempo de fugir de casa para regressar à terra

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.