Diretores de serviços e unidades suspendem funções no hospital de Tondela-Viseu

Um protesto contra a "degradação progressiva de vários serviços"

Os diretores de serviços, de unidades e coordenadores de valências do Centro Hospitalar Tondela-Viseu (CHTV) apresentaram hoje a suspensão de funções, em protesto contra a "degradação progressiva de vários serviços" no estabelecimento.

Os responsáveis dos diferentes serviços do CHTV apresentaram hoje, formalmente, "a suspensão imediata" das suas funções na direção dos serviços", por diversas razões "alicerçadas nos inúmeros problemas particulares de cada serviço", afirmam num documento a que a agência Lusa teve acesso.

"O desaparecimento completo da atividade do diretor clínico" e a "completamente inaceitável" (e "mais grave") substituição, "em manifestações públicas da vida clínica hospitalar pelo vogal executivo [do concelho de administração]", engenheiro [Francisco] Faro" é outro dos motivos apontados pelos subscritores do documento, dirigido ao diretor clínico e, por inerência do cargo, presidente da administração do CHTV, Cílio Correia.

"A degradação progressiva de vários serviços, alguns deles com uma influência direta e transversal na dinâmica hospitalar" que, se persistir, "terá uma repercussão irreparável no tratamento e orientação de muitos doentes", como recentemente transmitiram aos responsáveis, é igualmente referida pelos diretores e coordenadores de serviços do CHTV para explicarem a sua decisão.

Também a "ausência de uma política, regras ou orientação, que não seja o desesperado desinvestimento cego e desordenado, a todos os níveis, tecnológico e humano" têm provocado o "descontentamento geral" no hospital, sublinham.

Os diretores de serviços, de unidades e coordenadores de valências do Centro Hospitalar Tondela-Viseu rejeitam assistir de "forma passiva a esta degradação sem precedentes"

Os diretores de serviços, de unidades e coordenadores de valências CHTV criticam ainda "a desarticulação completa entre os órgãos de tutela intra-hospitalar", que, em seu entender, impede a adoção de sistemas informáticos, tanto na planificação do trabalho clínico diário como na "influência negativa na gestão hospitalar".

Além disso, apontam a falta de "um diretor clínico a tempo inteiro", sublinham.

"O atual estado de coisas" no CHTV levará à "descredibilização deste hospital", preveem os demissionários, que também afirmam que se vive um "insustentável mal-estar" ali, "tornando o dia-a-dia um trabalho penoso e desmotivante".

A situação vai agravar-se a "curto prazo" na "resposta a todos os níveis, do diagnóstico ao tratamento dos doentes", admitem ainda os subscritores do documento, que rejeitam assistir de "forma passiva a esta degradação sem precedentes".

O presidente da Secção Regional do Centro (SRC) da Ordem dos Médicos, Carlos Cortes, disse, entretanto à agência Lusa, que a Ordem vai "alertar" mais uma vez o Ministério da Saúde para a situação dramática do CHTV e que vai reunir com urgência com os diretores e coordenadores de serviços do hospital para debater a "gravidade da situação" no hospital.

Carlos Cortes, que confirma a decisão dos diretores e coordenadores em suspenderem as suas funções, recorda que os problemas no CHTV se têm vindo a avolumar, referindo, designadamente que, recentemente a unidade oncológica deste centro hospitalar ficou sem capacidade de resposta para os seus doentes, situação que receia possa voltar a acontecer nos próximos meses.

Para o presidente da SRC da Ordem dos Médicos, a situação do CHTV resulta essencialmente da lógica "economicista" com que tem sido gerido.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.