Diretores de serviço do Hospital de Gaia admitem demitir-se

Segundo Miguel Guimarães, bastonário da Ordem dos Médicos, "os ministros da Saúde e das Finanças têm de visitar este hospital e perceberão que os doentes e profissionais vivem em condições que não lembram a ninguém"

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, disse hoje que todos os diretores de serviço do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho estão dispostos a demitir-se se "a situação caótica se mantiver".

Este hospital está a definhar. As prioridades são a melhoria das infraestruturas e dotar o hospital com os recursos humanos necessários

Miguel Guimarães visitou o hospital de Gaia e reuniu-se com os 37 diretores de serviços e unidades de gestão integrada para se "inteirar dos problemas existentes" nesta unidade hospitalar.

"Este hospital está a definhar. As prioridades são a melhoria das infraestruturas e dotar o hospital com os recursos humanos necessários", afirmou o bastonário da Ordem dos Médicos, referindo que foi decidido enviar "uma carta urgente" ao ministro da Saúde.

Segundo Miguel Guimarães, "os ministros da Saúde e das Finanças têm de visitar este hospital e perceberão que os doentes e profissionais vivem em condições que não lembram a ninguém".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.