Diretor nacional da PSP assume dificuldades

Luís Farinha diz que há dificuldades a nível de recursos humanos e meios

O diretor nacional da PSP, Luís Farinha, assumiu hoje que a instituição tem dificuldades a nível de recursos humanos e meios, que estão a ser resolvidas, mas continua a prestar um serviço de qualidade aos cidadãos.

"Há dificuldades. Essas dificuldades estão a ser resolvidas na medida do que é possível e na preocupação de que existam condições de trabalho para os polícias e condições de resposta ao cidadão naquilo que sejam as solicitações de segurança e, nisso, a PSP continua a cumprir", afirmou Luís Farinha, após uma reunião com o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira.

Na quinta-feira, a Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) denunciou "insuficiências inadmissíveis no Comando Metropolitano do Porto da PSP".

Em comunicado, a ASPP/PSP aponta que "desde a falta de viaturas, ao estado das mesmas, passando pelas condições das esquadras, até à necessidade do reforço do efetivo", existem "situações que não são comportáveis com a missão da PSP".

A PSP, independentemente das vicissitudes que possam existir e das dificuldades que qualquer instituição pode ter, continua a funcionar e a prestar um serviço de segurança pública de qualidade aos cidadãos, reforçou Luís Farinha.

"Os resultados do último inquérito sobre segurança da APAV [Associação Portuguesa de Apoio à Vítima] parece-me que são evidentes relativamente àquilo que é o sentimento de segurança do cidadão e das populações em Portugal [inquérito diz que os portugueses sentem-se mais seguros do que há cinco anos]", disse.

Contudo, o diretor nacional da PSP salientou que "há vicissitudes várias em termos de recursos humanos e de meios", que a lei de programação de meios, que está implementada e em vigor, irá procurar colmatar.

Mas, isso não significa que a polícia deixe de cumprir ou não cumpra aquilo que é a sua função e que não continue a responder àquilo que são as solicitações do cidadão de forma adequada, acrescentou.

"Se assim não fosse não tínhamos a redução dos valores de criminalidade que fomos tendo de forma consolidada ao longo dos anos e o aumento do sentimento de segurança", frisou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.