Diretor do SEF acusado de dois crimes de corrupção passiva

Advogado João Medeiros disse não serem ainda conhecidas as medidas de coação aplicadas ao seu cliente.

O diretor do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Manuel Jarmela Palos, está acusado de dois crimes de corrupção passiva no âmbito do caso da atribuição de vistos dourados, disse à agência Lusa o seu advogado.

João Medeiros disse não serem ainda conhecidas as medidas de coação aplicadas ao seu cliente, uma vez que estas só deverão ser decididas depois de o juiz Carlos Alexandre ouvir os 11 detidos, ação que está a decorrer desde sexta-feira à tarde no âmbito daquele processo.

Até hoje, foram ouvidos três dos 11 detidos: o diretor do SEF e dois cidadãos chineses, acrescentou o advogado. Os detidos estão a ser ouvidos pelo juiz Carlos Alexandre, do Tribunal Central de Instrução Criminal, no Campus da Justiça, ao Parque das Nações, em Lisboa.

Além do diretor do SEF, foram detidos, na quinta-feira, no âmbito da investigação à atribuição de vistos dourados em Portugal mais 10 pessoas. O presidente do Instituto de Registos e Notariado (IRN), António Figueiredo, e a secretária-geral do Ministério da Justiça, Maria António Anes, que entretanto pediu a demissão do cargo, contam-se entre os detidos.

Dos 11 detidos, três são cidadãos chineses. Um casal e um homem.

Segundo uma fonte ligada ao processo, o presidente do IRN também terá apresentado, na quinta-feira, um pedido de suspensão de funções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.