Direitos sociais e fiscais lideram queixas ao Provedor de Justiça

José de Faria Costa defende que sejam aplicadas medidas para resolver os atrasos significativos no pagamento de prestações sociais, sobretudo no Porto e em Lisboa

As prestações sociais, sejam os atrasos no pagamento, os valores envolvidos ou a interrupção de subsídios; mas também a fiscalidade, como as taxas das portagens e o IRS, lideram os protestos junto do Provedor de Justiça. O ano passado, um terço das mais de sete mil queixas foram contra o Instituto da Segurança Social e o Ministério das Finanças.

Estas são algumas das conclusões do Relatório de 2015 que o Provedor de Justiça (PJ), José de Faria Costa, entregou recentemente na Assembleia da República. A provedoria recebeu 7 329 reclamações, menos 14% do que em 2014, uma quebra que se regista pela primeira vez desde 2011. O que não muda são os principais assuntos que levam os cidadãos a reclamar da administração pública e que na maioria dizem respeito aos direitos sociais e à fiscalidade.

Os direitos sociais registaram 1636 queixas, 61% das quais contra as prestações sociais (1002), sobretudo dos subsídios de desemprego e que representa praticamente um quarto. São quase tantas como as pensões de reforma e o abono de família em conjunto. O que reflete, segundo disse ao DN José Faria da Costa "os fortes impactos da crise económica, financeira e social vivida, nos últimos anos, no nosso país". Os cidadãos "reclamam da preterição destes direitos, do atraso na atribuição de prestações sociais ou da sua cessação, da cobrança de dívidas não devidamente fundamentadas, da falta de informação tempestiva e adequada, das sucessivas alterações legislativas, da insegurança e incerteza jurídicas, clamando, afinal, pela eficácia dos regimes de proteção social".

O provedor deu razão a muitos dos protestos e, em abril de 2015, exigiu ao conselho diretivo do Instituto de Segurança Social (ISS) medidas para resolver os "atrasos significativos", sobretudo no Porto e em Lisboa, na atribuição das prestações de abono de família pré-natal, de abono de família a crianças e jovens e na apreciação de pedidos de reavaliação dos escalões devido à diminuição de rendimentos. A resposta dos serviços foi a redistribuição dos processos pendentes pelos vários centros distritais.

O tratamento dado aos desempregados também mereceu críticas, designadamente as decisões de anulação de inscrição nos centros de emprego. O Provedor de Justiça, após audição do Instituto do Emprego e Formação Profissional, assinalou "a necessidade de aperfeiçoamento dos procedimentos adotados na relação com estes utentes".

O número de protestos contra o ISS, levou a Provedoria de Justiça a constituir uma categoria autónoma, razão pela qual não é o Ministério da Solidariedade, do Emprego e da Segurança Social o ministério sobre quem recaem mais denúncias. Neste particular foi o das Finanças, concentrando 34,5% (869) das queixas, seguindo-se o Ensino e a Ciência (481), a Administração Interna (351) e a Saúde (342).

A fiscalidade é o segundo tema mais reclamado, 15,7% dos protestos (1146). Os contribuintes queixam-se maioritariamente das taxas de portagens, das execuções fiscais e do IRS, temas recorrentes de ano para ano. A novidade de 2015 foram as questões relativas ao sistema e-fatura e às alterações legislativas decorrentes da reforma do IRS.

A Provedoria diz não ser possível "uma análise completa dos problemas suscitados, desde logo, por alguma demora na obtenção de respostas por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira". Persistem as dúvidas sobre "alegadas divergências de enquadramento das despesas de alimentação e de transporte de alunos do ensino privado e público, ou, da interpretação e aplicação da norma que prevê a emissão dos recibos de renda eletrónicos".

O emprego público foi a terceira área mais reclamada, tendo o Provedor de Justiça questionado tais práticas. Um dos temas foi a "desigualdade salarial dos enfermeiros com contrato individual de trabalho e dos enfermeiros em funções públicas, que exercem funções em estabelecimentos de saúde, com a natureza de entidades públicas empresariais". Também mereceram a intervenção do provedor os protestos de funcionários do ISS colocados em situação de requalificação no âmbito do processo de racionalização de efetivos. Este pediu que fossem revogados, não existindo já trabalhadores essa situação.

Linha do Idoso com mais contactos

A Provedoria de Justiça disponibiliza três linhas telefónicas de apoio: às crianças, idosos e pessoas com deficiência. Os problemas relativos à terceira idade suscitaram mais contactos - 2864 -, enquanto a Linha da Criança se ficou pelas 671 chamadas e a Linha da Pessoa com Deficiência pelas 622, sendo que só esta última registou um aumento de contactos. As questões relativas à saúde (taxas moderadoras, transporte de doentes, ajudas técnicas), os serviços de apoio (centros de dia, apoio domiciliário, teleassistência), lares, maus tratos (na família e em instituições) e as pensões representam a maioria das chamadas.

A atuação da Linha do Cidadão Idoso, à semelhança do que tem sucedido nos anos anteriores, centra-se na prestação de informações e encaminhamento (1110), nas informações (1000), na conversação (115) e no acompanhamento (83).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.