Diplomatas criticaram Marcelo por comparar irmãos Sobral a embaixadores

A Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses escreveu uma carta ao Presidente da República a lamentar a comparação

A Associação Sindical dos Diplomatas Portugueses (ASDP) lamentou, em carta enviada ao Palácio de Belém, que o Presidente da República tenha comparado os irmãos Luísa e Salvador Sobral a "embaixadores mais qualificados e mais eficientes do que a generalidade da nossa diplomacia", noticia o Público.

A comparação aconteceu quando Marcelo Rebelo de Sousa condecorou os irmãos Sobral com o grau de comendadores da Ordem do Mérito no passado mês de abril, numa cerimónia na Fundação Calouste Gulbenkian.

"Não posso deixar de lamentar as declarações proferidas por Vossa Excelência a propósito da 'generalidade da nossa diplomacia' que (...) colocam em causa a competência e profissionalismo de toda uma carreira especial do Estado, denegrindo a sua imagem e, como tal, a própria credibilidade das instituições públicas", lê-se na carta, citada pelo Público, assinada pelo embaixador João Ramos Pinto, presidente do conselho directivo da ASDP.

Na missiva enviada ao Presidente da República, é escrito que "um sucesso musical pode exercer uma influência mais visível e imediata na opinião pública internacional quanto à imagem do nosso país". Ramos Pinto, garante, no entanto, que as funções diplomáticas "não se esgotam nessa vertente promocional"

Um protesto que surgiu quatro dias depois do chefe de Estado fazer a comparação. "(...) Com todo o respeito que me merecem os nossos embaixadores, [os irmãos Sobral] são embaixadores mais qualificados e mais eficientes do que a generalidade da nossa diplomacia", afirmou, na altura, Marcelo Rebelo de Sousa, elogiando o êxito da canção "Amar pelos dois", que venceu a Eurovisão no ano passado . "O senhor ministro da Cultura que me perdoe", disse a Luís Castro Mendes, diplomata de carreira.

Depois de contactado pelo Público, o Presidente da República, através de uma nota escrita enviada ao jornal, referiu que "não está, nem nunca esteve em causa, como tenho referido sempre, a excelência da nossa diplomacia". "Mas a própria realização, neste momento, do Festival Euroovisão da Canção em Lisboa fala por si quanto à projeção alcançada por quem, pela sua qualificação e eficácia, projeta a imagem de Portugal no mundo", o considerou o Presidente da República.

"Direi mesmo mais: não me sinto nada complexado pelo facto de haver personalidades da Cultura e do Desporto que em muito ultrapassam a projeção internacional do atual Presidente da República Portuguesa", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.