Dezenas de utentes protestam em Lisboa contra fecho das estações dos CTT

Autarcas do Seixal, Loures, Odivelas, Alpiarça e Riba de Ave, reuniram-se com o administrador executivo dos CTT, António Pedro Silva

Dezenas de utentes das freguesias de Aldeia de Paio Pires (Seixal) e de Camarate e Apelação (Loures) manifestaram-se hoje à porta da sede dos CTT, em Lisboa, contra o fecho das respetivas estações dos correios.

Ao mesmo tempo que, no exterior, as cerca de seis dezenas de utentes empunhavam cartazes com palavras de ordem contra o fecho das estações, os autarcas do Seixal, Loures, Odivelas, Alpiarça e Riba de Ave, reuniam-se lá dentro com o administrador executivo dos CTT, António Pedro Silva, responsável pela parte operacional das lojas.

Gritando "Reversão da privatização", "Só a reversão é a solução" ou "Privatização é roubo à população", os cerca de 60 utentes esperaram mais de uma hora que os seus representantes autárquicos trouxessem boas novas da reunião.

À saída, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares, adiantou aos jornalistas não ter sido dada "justificação racional" para o fecho das estações, considerando que se tratam "de critérios puramente economicistas".

"Há uma total insensibilidade para com as populações e para com as empresas", acusou o autarca, referindo que a administração dos CTT "está completamente alheia às necessidades e longe do interesse público", além de estar a querer "passar os custos para outras entidades".

Em declarações à Lusa, o presidente das coletividades do concelho do Seixal, mais propriamente da Aldeia de Paio Pires, considerou "injustificado este ato criminoso" de fechar a estação dos CTT.

Segundo Hélder Rosa, "grande parte" dos cerca de 15 mil habitantes daquela freguesia, já tem uma "idade um pouco avançada" e "dificuldades em se deslocar", pelo que considera não haver "justificação [para o fecho], pois trata-se de uma estação onde a população se desloca abundantemente, assistindo-se a 15/20 minutos do tempo de espera".

Também Manuel Amaral está contra o fecho da estação de Paio Pires, acrescentando que é "prejudicial à população" que até ela se desloca para "receber as suas pensões e fazer os pagamentos de eletricidade e água".

"Já se previa que a privatização ia dar este resultado. Só interessa ao capital, a [administração dos CTT] é que está a usufruir dos lucros. Estes estão a ser mal repartidos, só pela administração e não pela população", acusou.

Pela sua parte, Delfina Vitorino, que utiliza a estação dos CTT de Camarate, uma das 22 previstas para fechar, lembra que a mesma atende "uma média de 200 pessoas por dia", servindo uma "população idosa que tem de passar a ir à estação mais próxima de Sacavém e não terá mobilidade para se deslocar a pé".

"Muitas delas nem dinheiro tem para comprar o bilhete de cinco euros de camioneta", afirmou, acrescentando que "não se justifica fechar uma estação quando se está a dar lucro. É uma sacanice o que estão a fazer à população pelo que vamos usar todas as nossas forças para que estação de Camarate não encerre".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.