Supremo decide se extradição de arguido da Lava Jato é legal

O juiz da Relação decidiu entregar Raul Schmidt ao Brasil, com base no indeferimento de vários recursos. Será a primeira vez que Portugal extradita um nacional português

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) deverá decidir amanhã sobre a legalidade da extradição de Raul Schmidt, arguido do processo de corrupção no Brasil Lava Jato. O habeas corpus foi pedido pela defesa no passado dia seis , depois de Schmidt ter sido detido, pela segunda vez no nosso país, para ser extraditado. O empresário está acusado pelos crimes de corrupção, organização criminosa e branqueamento de capitais.

Este requerimento visa aplicar uma lei posterior à primeira decisão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), que faz equivaler a sua nacionalidade à de português nato e com isso evitar a sua extradição. O habeas corpus está previsto no Código de Processo Penal quando está em causa uma "detenção ilegal ", como alega a defesa ser o caso . Será a derradeira hipótese do empresário não ser entregue às autoridades brasileiras e ser julgado no nosso país. A concretizar-se a extradição será a primeira vez que um cidadão, reconhecido como português originário desde dia nove de janeiro, será extraditado para outro país.

Apesar disso, segundo noticiou ontem o Observador, o desembargador Américo Augusto Lourenço, do TRL, manteve a decisão de extradição, com base no trânsito em julgado do indeferimento do Tribunal Constitucional ao pedido de revogação da extradição, a confirmar as decisões anteriores da Relação e do STJ.Estes indeferimentos tiveram lugar antes de Raul Schmidt , nascido no Brasil, ter visto reconhecida pelo Instituto de Registos e Notariado a sua cidadania portuguesa plena, como neto de portugueses.

O empresário já tinha a nacionalidade portuguesa, por naturalização, desde 2011, mas só esse estatuto não era impeditivo da extradição. O despacho do Tribunal limita o julgamento de Schmidt apenas aos factos ocorridos antes dessa data. Segundo as autoridades brasileiras os crimes de que está acusado, teriam, sido cometidos entre 2005 e 2014.

No entanto, conforme noticiou anteriormente o DN, pareceres de três reputados constitucionalistas - Paulo Otero, Gomes Canotilho e Rui Moura Ramos - alertaram para a ilegalidade da extradição porque Raul Schmidt só não tinha a cidadania plena há mais tempo porque o governo demorou dois anos a regulamentar a legislação respetiva. O catedrático Paulo Otero considera que o que sucedeu foi "um inequívoco abuso de direito por parte da administração pública". A administração "comete uma dupla ilicitude, pois a nova ilicitude", admitir a extradição, "alicerça-se na sua própria ilicitude anterior", atrasar dois anos a entrada em vigor das alterações à Lei da Nacionalidade".

Schmidt foi pela primeira vez detido em Portugal em 2015, tendo nessa altura iniciado a sua batalha judicial.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.