Governo e PSD lançam reforma mais ampla do Estado

Acordo prevê grupo de trabalho que apresente propostas, até junho de 2019, para a desconcentração de serviços estatais

Será uma descentralização, parte II: o acordo entre o governo e o PSD vai prever a criação de um grupo de trabalho que, até ao final da legislatura, deverá elaborar um relatório e apresentar propostas para uma reforma mais ampla do Estado, que vá além da transferência de novas competências para os municípios.

Esta tem sido, desde o início das negociações com o governo, uma das principais exigências dos sociais-democratas, que querem ir além da proposta do executivo, que classificam como uma "municipalização". A intenção de criar uma entidade que faça um estudo aprofundado da reforma do Estado, em articulação com as universidades ou organismos da sociedade civil, ficou expressa num dos documentos que o PSD enviou na passada semana ao ministro que tutela a descentralização, Eduardo Cabrita, e deverá constar do acordo final entre as duas partes, que esteve a ser ultimado ao longo do dia de ontem.

Ao que o DN apurou o objetivo é que este grupo de trabalho apresente as suas conclusões até ao final do primeiro semestre do próximo ano, podendo incluir até a apresentação de anteprojetos que sirvam depois de base a propostas legislativas. Como é notório face ao calendário - as eleições legislativas serão em setembro/outubro de 2019 - esta fase da descentralização será para avançar apenas numa próxima legislatura. A ideia é que as propostas que vierem a ser apresentadas sejam alvo de debate público, nomeadamente durante a campanha eleitoral, e fiquem depois à disposição do governo que sair das eleições. A proposta que tem estado em cima da mesa aponta para a possibilidade de este grupo de trabalho ser constituído por personalidades indicadas pelos grupos parlamentares (um pouco à semelhança da comissão que investigou os incêndios do ano passado), funcionando na esfera da Assembleia da República.

O grupo terá como missão estudar uma reorganização territorial dos serviços do Estado, ou seja, a desconcentração de serviços de Lisboa para outras partes do país. Mas deverá debruçar-se também sobre o funcionamento das CCDR"s (Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional) ou das áreas metropolitanas.

Descentralização gradual

Ontem, depois de uma reunião entre Eduardo Cabrita e Álvaro Amaro - o presidente dos autarcas sociais-democratas e coordenador do partido para a área da reforma do Estado que tem conduzido as negociações pelo PSD - o acordo não estava ainda fechado. Mas Álvaro Amaro antecipou então que o desfecho das negociações poderia ocorrer ainda ao longo do dia de ontem, ou, o mais tardar, já hoje.

O acordo entre governo e PSD deverá comprometer o executivo a detalhar, município por município, o destino de uma verba global de 1,2 mil milhões de euros que acompanhará a transferência de novas competências para as autarquias. Ou seja, o acordo deixará expresso esse princípio, mas depois o governo terá que chegar a acordo com a Associação nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e com cada autarquia em concreto. "Esse é o princípio que defendemos, para que as autarquias concordem ou discordem desse envelope financeiro para financiar as novas competências", afirmou ontem Álvaro Amaro, à saída da reunião com Eduardo Cabrita. Outro ponto que ficará expresso será a possibilidade de os municípios terem um período de três a quatro anos para assumir os novos encargos decorrentes da descentralização.

O primeiro-ministro, António Costa, referiu-se ontem à conclusão das negociações entre governo e PSD sobre fundos comunitários (um dossier que ficou fechado na passada semana) e descentralização para sublinhar que consta do programa do Governo "que há um conjunto de matérias que devem ser objeto de um acordo político mais alargado" - e "é particularmente importante que com o principal partido da oposição possa haver um entendimento em torno de uma visão comum sobre a estratégia do país para a próxima década". Mas fez questão de sublinhar que não estão em causa os acordos prioritários com os parceiros do governo à esquerda.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."