"Desrespeito parlamentar": PCP critica PS e BE por anunciarem projetos

Comunistas dizem que vão continuar reflexão sobre morte assistida mas a seu tempo. E o tempo não era hoje, disse líder parlamentar

Sem abrir o jogo sobre o que pensa o PCP, o líder parlamentar comunista, João Oliveira, atacou os seus parceiros parlamentares por terem anunciado iniciativas legislativas sobre a eutanásia em cima das jornadas parlamentares do partido, quebrando uma tradição.

"É conhecida a posição geral que o PCP tem vindo a referir relativamente à reflexão que essa matéria exige. Relativamente a iniciativas que outros grupos parlamentares entenderam tomar a coincidir com jornadas parlamentares do PCP, em desrespeito por uma prática que existe, não vou fazer mais nenhuma consideração", disse, agastado, João Oliveira - recusando-se a alimentar mais questões dos jornalistas sobre o tema.

É da prática não escrita da Assembleia da República: em cima de jornadas parlamentares de um partido, os outros limitam a agenda a quase nada e reservam o anúncio de iniciativas legislativas para outras calendas. Não foi o caso hoje com as propostas sobre a eutanásia. Primeiro, pela manhã, o BE anunciou que ia entregar a sua proposta (que já tinha apresentado publicamente no sábado) e, depois, o líder parlamentar socialista, Carlos César, também anunciou que o PS faria o mesmo.

Sobre estas matérias, a seu tempo. E o tempo não é de hoje, fez questão de vincar o líder parlamentar comunista. "Continuaremos a refletir sobre essa matéria e tomaremos posição no momento próprio", afirmou João Oliveira, no encerramento das jornadas parlamentares, que decorreram ontem e hoje em Portalegre.

Já a notícia do BE caiu durante a manhã, quando uma comitiva comunista visitava o Hospital de Portalegre. Nessa altura, João Oliveira preferiu sublinhar a importância dos cuidados paliativos, cujo serviço tinha visitado momentos antes. "Não deixo de registar que tivemos a oportunidade de visitar aqui uma unidade de cuidados paliativos, com um reconhecimento por parte dos próprios profissionais à vantagem que há nos cuidados de saúde e ao caminho a percorrer ainda", apontou na altura João Oliveira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.