Rapaz de 18 anos morre em acidente com autocarro de viagem de finalistas

Um morto e 47 feridos despiste de um autocarro no IP2, entre o nó de Arez e a Barragem de Fratel

Uma pessoa morreu num despiste de autocarro que ocorreu este domingo à tarde no IP2, no concelho de Nisa, distrito de Portalegre. Ficaram feridas 47 pessoas. Os passageiros são maioritariamente jovens, entre os 18 e os 23 anos, que estavam a regressar de uma viagem de finalistas a Espanha. Os feridos são ligeiros.

A vítima mortal é um jovem de 18 anos, confirmou o secretário de Estado Adjunto e da Saúde. Inicialmente tinha sido avançado que a vítima mortal tinha 20 anos. O jovem será natural de Tortosendo, Covilhã, segundo a SIC. Também tinham sido avançados quatro feridos em estado grave, que afinal revelaram ter apenas ferimentos ligeiros.

Segundo disse fonte da GNR de Portalegre à Lusa, o autocarro seguia com 48 passageiros e um condutor.

O Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) acrescenta que os passageiros são maioritariamente jovens entre os 18 e os 23 anos e provenientes da Covilhã e Belmonte, que estavam a regressar de uma viagem de finalistas.

Alguns dos alunos são da Escola Frei Heitor Pinto, na Covilhã.

Até ao momento, o Hospital Dr José Maria Grande, de Portalegre, recebeu sete feridos. Ao Diário de Notícias, o presidente do conselho de administração desta unidade hospitalar, João Moura Reis, refere que os feridos estão a ser tratados de acordo com as patologias que apresentam e estão "a receber apoio psicológico".

Uma outra pessoa com ferimentos ligeiros foi encaminhada para o hospital de Castelo Branco. Os restantes feridos estão a ser avaliados no local do acidente.

Quanto ao hospital de Abrantes, concentra a unidade médico-cirúrgica do serviço de urgência do Centro Hospital Médio Tejo e já acionou o plano de contingência de catástrofes de nível 1 para receber os feridos graves do acidente, disse à Lusa a diretora clínica do hospital, Cristina Gonçalves.

O despiste ocorreu no Itinerário Principal 2 (IP2), entre o nó de Arez e a Barragem de Fratel. O trânsito nesta zona está cortado nos dois sentidos.

De acordo com a página oficial da Proteção Civil, o acidente ocorreu pelas 17:56, na freguesia de Arez e Amieira do Tejo, concelho de Nisa, e no local estão 41 veículos, 100 operacionais e um meio aéreo.

A secretária de Estado da Saúde, Rosa Matos, está a caminho do local do acidente e o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, dirige-se para o hospital de Abrantes para acompanhar a situação dos feridos.

Segundo fonte da GNR de Portalegre, o acidente está a ser investigado pelo Núcleo de Investigação de Crimes de Acidentes de Viação da GNR (NICAV).

Atualizado às 22:52. Corrige a informação da idade da vítima mortal para 18 anos, em vez de 20 e o número de feridos graves de quatro para zero.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...