Deslocalizar Força Aérea do Montijo custará 130 milhões nos próximos cinco anos 

Custos da deslocalização do campo de tiro de Alcochete rondam os 240 milhões de euros, mas isto não tem de ser feito já, diz Chefe do Estado-Maior da Força Aérea

O Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, Manuel Teixeira Rolo, estimou hoje que se gastem 130 milhões de euros, nos próximos cinco anos, na deslocalização de atividade militar para transformar a base do Montijo em aeroporto complementar.

"[Os custos de 130 milhões de euros] diria que isso teria que acontecer nos próximos cinco anos ou seja quando o Montijo estiver a operar em pleno, com mais de 12 movimentos, já perto dos 18 movimentos por ano, teoricamente a Força Aérea já teria que estar nas suas bases", explicou o militar, à margem da conferência sobre o novo aeroporto, a decorrer hoje na Assembleia da República.

Segundo a sua proposta, a Força Aérea pretende que as "obras acontecessem em simultâneo: enquanto se está a construir a infraestrutura civil, estar-se-ia a construir a infraestrutura militar e a renovação das infraestruturas em outras bases".

Aos jornalistas, o militar precisou estarem em causa dois custos diferentes: "Há os custos da deslocalização para outras unidades para o cumprimento da sua missão, o que ronda os 130 milhões de euros, e depois há os custos da deslocalização do campo de tiro [de Alcochete], de uma cifra mais significativa, na ordem dos 240 milhões de euros, mas que não se antecipa que tenha de ser feito já".

Os 240 milhões de euros poderão ser desembolsados "para lá de 2023/2024", acrescentou, referindo que deverá ser possível compatibilizar o uso do campo militar de tiro, "com a ajuda da NAV", por ser necessário desviar o tráfego aéreo civil para "salvaguardar os períodos de tiro mais específico".

"Quando houver os 24 movimentos [de aviões] será praticamente impossível que isso aconteça [a compatibilização entre voos civis e atividade militar]", referiu o Chefe de Estado Maior da Força Aérea.

O militar precisou que a proposta da Força Aérea explicita "todos os constrangimentos" face ao aumento do número de movimentos, cujo "crescimento é exponencial", pelo que "tem de se encontrar as soluções de forma mais rápida": A Força Aérea terá que sair mais cedo do que eventualmente se poderia ter pensado".

Manuel Teixeira Rolo referiu ainda que compensações à NATO estão já cifradas e que se houver uma deslocalização para Tancos as "despesas relacionadas com infraestruturas" naquele local já "acomodam essa circunstância".

"O que temos é que continuar a disponibilizar à NATO um espaço e uma aérea suficiente para eles continuarem a operar e para se continuar a assegurar os compromissos que estão assumidos pelo Estado português", concluiu.

A parte dos custos "terá agora de ser pensada", nomeadamente com o Estado a negociar com a ANA (gestora dos aeroportos nacionais), que recebe taxas aeroportuárias, como "é que os custos adicionais, que são subordinados à deslocalização da Força Aérea como serão suportados".

A proposta da Força Aérea foi entregue ao Ministério da Defesa, com o militar a referir estar "feito o trabalho a montante", assim como a coordenação com o Exército, "que não põe qualquer objeção à reativação de Tancos".

"Dentro da área da Defesa Nacional, o assunto está resolvido", garantiu.

Depois da sua intervenção na conferência parlamentar, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, garantiu que o "trabalho está muito avançado da parte da Força Aérea, um estudo sobre as condições para manterem a operacionalidade de forma adequada e partilharem aquela infraestrutura com a utilização civil".

"Este é um trabalho muito detalhado e feito com muito rigor e foi ao encontro do trabalho realizado em 2016 como poderíamos partilhar a infraestrutura militar e civil e nesse sentido demos mais um passo muito importante para a realização desta solução", afirmou.

Em fevereiro, Governo e a ANA assinaram um memorando para aprofundar o estudo para a transformação da base aérea militar do Montijo como aeroporto complementar de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.