Deslizou nos carris e bateram-lhe palmas. Deixem passar o 24

Campolide e o Largo Camões voltam a estar ligados pela linha deste elétrico. Regresso acontece 23 anos depois de ter sido extinto

O amarelinho vai voltar a colorir as ruas de Campolide até ao Camões. É o regresso do 24, que se despediu dos carris de Lisboa em 1995. Desde o dia 11 que está a ser testada a circulação no novo percurso e, mesmo sem ter recebido a bordo passageiros, já houve quem tivesse manifestado a alegria de o ver voltar às ruas que percorreu durante 90 anos.

"No dia 11 fizemos a primeira volta de ensaio, para vermos como é que seria o percurso, e foi engraçado ver as pessoas, os utentes da via, a bater palmas, por causa do regresso do elétrico. Foi bastante bonito e emotivo", descreve Dário Ussamane, antigo guarda-freio e atual fiscal da Carris que quando chegou à empresa já sabia que a carreira do 24 ia ser suprimida, "infelizmente". "Cada vez que vejo ser suprimida uma carreira de elétrico custa-me imenso", reconhece Dário Ussamane. Já quando abre uma nova linha: "É uma alegria enorme", garante de sorriso largo.

A bordo do elétrico 24, ontem à tarde, estavam mais quatro guarda-freios que estão a fazer as últimas voltas de teste, uma vez que hoje as viagens, apesar de gratuitas (até amanhã não se paga para experimentar o 24), serão a sério. Durante o percurso que o DN percorreu foram-se ouvido algumas dicas de como passar em locais mais apertados ou dar curvas em que "a agulha salta", como à chegada à Praça Luís de Camões.

Também houve tempo para ouvir algumas anedotas temáticas, a cargo de Alfredo Gama, coordenador-geral de tráfego na Carris. "Porque é que os elétricos não têm rodas de borracha?", pergunta, sem que ninguém acuse a resposta, para logo concluir: "Porque senão apagavam a linha."

Um carro rebocado, outro multado

Os guarda-freios destacados para esta linha - 32 anos numa primeira fase, todos os restantes 140 à medida que for sendo dada a formação - vão mudando aos comandos do elétrico durante a viagem de testes. Paula Pereira é quem assume o comando no regresso do Camões até Campolide. Também ela está contente com o regresso do 24 - "é maravilhoso". Sobre o percurso aponta como principais dificuldades o facto de as pessoas "não estarem habituadas que passemos em determinados sítios, os estacionamentos e os cruzamentos".

De facto, a viagem é feita sem grandes percalços, ainda que tenha sido necessário ir retirar obstáculos às ruas e o agente da Polícia Municipal tenha saído do elétrico para para falar com o encarregado das obras no Miradouro São Pedro de Alcântara para pedir que as proteções fossem afastadas da estrada.

Um obstáculo menos condicionante do que o que apanharam quando estavam a sair da base da Carris, em Santo Amaro, para Campolide, o ponto de encontro para o início da viagem: um carro estacionado em cima dos carris que teve de ser rebocado. Conclusão: um atraso de 35 minutos para o elétrico. Um problema de estacionamento que voltaria a acontecer mesmo à chegada a Campolide. Neste caso, o condutor veio a correr, mas já não se livrou da multa. Outras paragens foram necessárias por causa dos estacionamentos em segunda fila, mas bastou soar a campainha do elétrico e os condutores apareceram de imediato.

Os estacionamentos em segunda fila são o pior pesadelo para o elétrico, que não tem como contornar os obstáculos. Por isso, Dário Ussamane apela aos condutores para deixarem os carros bem estacionados e não pararem em segunda fila.

Aos obstáculos não via sobrepõem-se os sorrisos e os cumprimentos que o elétrico vai colhendo de turistas e locais ao longo do percurso. E na praça onde vai começar a viagem há dois anos que tinha um fã à espera. Carlos Araújo é o proprietário do café Doce Belo Snack, em Campolide, e um admirador de elétricos, como mostra a decoração do espaço. Uma paixão que até nasceu de forma caricata: "Acho que foi de um acidente que tive com a minha mãe em miúdo, com um elétrico." É mais um dos moradores que não escondem o entusiasmo com a nova carreira do 24, cujo percurso deverá ser alargado até ao Cais do Sodré.

Além do regresso do 24, a autarquia, que agora gere a Carris, está a estudar as futuras prioridades no alargamento da rede de elétricos. "Temos um plano para a expansão da linha e até ao final do ano vamos apresentar as prioridades, que podem passar pelo Oriente e pela zona de Santa Apolónia", antecipa o vereador da mobilidade, Miguel Gaspar.

A Carris vai também comprar mais 30 elétricos, dos quais 20 serão normais e dez históricos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.