Groundforce garante que desaparecimento do gato Jackie no aeroporto foi "caso isolado"

A empresa diz estar a desenvolver "um processo interno para averiguar o que sucedeu"

A Groundforce Portugal garantiu esta segunda-feira que o desaparecimento do gato 'Jackie' no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, "foi um caso isolado". A empresa lembra que transporta diariamente "25 animais vivos de várias dimensões e para várias companhias".

O gato 'Jackie', que devia ter embarcado para a Madeira a 21 de dezembro passado num avião da TAP, não chegou à região, tendo estado desaparecido durante 15 dias.

Entretanto, a 03 de janeiro, o gato foi avistado e, no dia seguinte, foi resgatado no terminal de carga do Aeroporto Humberto Delgado, tendo chegado hoje à Madeira, onde foi entregue à sua dona.

"Este foi um caso isolado e que obteve, desde o primeiro momento, a nossa maior atenção, tendo assegurado, de imediato, a disponibilidade de uma equipa de resgate para solucionar o ocorrido", refere a Groundforce, em comunicado.

A empresa diz estar a desenvolver "um processo interno para averiguar o que sucedeu" e realça que "tem normas rígidas acerca do transporte e manuseamento animal, cumprindo todos os protocolos e certificações internacionais neste setor, nomeadamente da ISAGO".

"A Groundforce Portugal fica satisfeita com o desfecho desta situação", declara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Geopolítica

5 anos. A Crimeia é russa mesmo que Ocidente não goste

Em março de 2014, no auge da rebelião na Ucrânia que derrubou o regime pró-russo de Viktor Ianukovitch, forças russas ocupavam a Crimeia e Moscovo decretava a 18 a anexação da península e a sua plena integração na Federação Russa. Era o início de uma crise que, cinco anos depois, continua a envenenar as relações entre a Rússia e o Ocidente.