Derrota de Georgieva é também de Merkel

A Alemanha patrocinou a candidatura de última hora da búlgara Kristalina Georgieva, com o apoio de países como a Hungria.

A dimensão da derrota da búlgara Kristalina Georgieva traduz também a da alemã Angela Merkel "e de todas as manobras de bastidores" para minar a candidatura de António Guterres, considerou a especialista Mónica Ferro.

"Berlim fica irreparavelmente ligada à derrota de Kristalina Georgieva", por julgar que "podia derrotar António Guterres", insistiu a professora universitária. "Se Angela Merkel queria mesmo uma mulher de Leste" à frente da ONU, "teria apoiado uma das que já estavam" na corrida, adiantou.

Aparentemente mais diplomático mostrou-se o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, sobre aquela jogada de última hora: "Uso a mesma palavra que escolhi para título de um artigo que escrevi para o DN: serenidade. Ao longo de todo o processo sempre tivemos total confiança no nosso candidato, na nossa candidatura e, sobretudo, na completa lisura de processos que cumprimos."

Mónica Ferro confessou ainda surpresa pelo resultado de Georgieva - "teve um número impressionante de votos negativos [oito] e ficou três lugares atrás de Irina Bokova" - por a sua entrada tardia deixar antever uma negociação prévia de acordos. Assim, "acaba por ser uma vitória dos valores contra uma decisão de realpolitik e que revela" que os seus promotores "não percebem nada da ONU".

A ONU tem 71 anos, um orçamento superior a 13 mil milhões de euros e cerca de 105 mil capacetes azuis espalhados pelo mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.