Deputados pedem proteção para discotecas históricas do Cais do Sodré

Os deputados acreditam que o desaparecimento destes espaços contribuiria para "a descaracterização da área do Cais do Sodré"

A Comissão de Economia, Turismo, Inovação e Internacionalização da Assembleia Municipal de Lisboa decidiu recomendar à Câmara que proteja os estabelecimentos históricos da especulação imobiliária, tendo em conta o iminente fecho de discotecas míticas no Cais do Sodré.

Na recomendação, a que a agência Lusa teve hoje acesso, os deputados solicitam que o município envide "todos os esforços para que este tipo de estabelecimentos possa ser protegido da especulação imobiliária, de forma a salvaguardar a identidade histórico-cultural desta zona da cidade".

Isto porque, a seu ver, "o desaparecimento destes estabelecimentos irá contribuir para a descaracterização da área do Cais do Sodré".

Ao mesmo tempo, os responsáveis pretendem que o município avance "rapidamente com o programa Lojas com História, de forma a ajudar à preservação do património de espaços comerciais da cidade". Criado pela autarquia no ano passado, este programa visa dinamizar o comércio local.

Para isso, a autarquia discutirá em breve a criação de um regulamento que estipula os critérios de distinção dos estabelecimentos históricos da cidade, bem como as medidas de apoio a que se poderão candidatar, suportadas por um fundo de 200 mil euros.

A recomendação da Comissão de Economia, Turismo, Inovação e Internacionalização surge no seguimento de uma audição feita a Fernando Pereira, proprietário de duas discotecas no Cais do Sodré - Jamaica e Tokyo.

Este comerciante, juntamente com o dono do Europa (localizado no mesmo edifício) recebeu, em outubro passado, uma denúncia do contrato de arrendamento por parte dos senhorios. Apesar de ter efeito a partir de meados deste mês de abril, ainda não houve despejos, já que os donos das discotecas optaram por penhorar o edifício para exigir conversações e pagamento de indemnizações em atraso.

O prédio onde estes espaços se encontram, na Rua Nova do Carvalho (a chamada Rua Cor de Rosa) foi vendido pelos cerca de 30 proprietário a uma imobiliária, que, por sua vez, o revendeu a um grupo hoteleiro francês.

Para já, apenas se prevê que o Jamaica fique no local, enquanto as outras duas, Tokyo e Europa, já estão à procura de espaços alternativos para se instalarem. Contudo, continuam as negociações, que estão a ser mediadas pela Câmara de Lisboa.

Na recomendação -- assinada pela deputada relatora e presidente da Junta de Freguesia da Misericórdia, Carla Madeira (PS), e pelo presidente da comissão, Carlos Silva Santos (PCP) -- frisa-se que "estes estabelecimentos são ícones da história e da cultura da cidade de Lisboa e da zona do Cais do Sodré, tendo contribuído bastante para reabilitação e dinamização desta zona, nomeadamente da Rua Nova do Carvalho".

O documento, que será apreciado brevemente em plenário, adianta que as discotecas "estão devidamente insonorizadas e funcionam com as portas fechadas, mantendo os seus clientes no interior dos mesmos e contribuindo assim para a diminuição da aglomeração de pessoas na via pública", o que melhora "a qualidade de vida dos moradores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.