Depois do buzinão, vêm aí mais ações de protesto

O buzinão de protesto pela reposição da isenção das portagens na ponte 25 de Abril durante o mês de agosto prolongou-se durante quase três horas

A Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul que organizou hoje um buzinão pela isenção das portagens na ponte 25 de Abril em agosto lamenta a falta de diálogo do Governo e promete novas ações de protesto.

"Isto deve ter impacto na Assembleia da República. Com certeza que os deputados não são cegos nem surdos, sobretudo os eleitos pelo distrito de Setúbal deviam também tomar posição", disse à Lusa Luísa Ramos, da Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul, que vai agora analisar futuras "ações de protesto" contra o pagamento de portagens naquela ponte.

O buzinão de protesto pela reposição da isenção das portagens na ponte 25 de Abril durante o mês de agosto prolongou-se durante quase três horas, tal como previsto pelos organizadores, que colocaram cartazes a apelar ao protesto nos pontos de acesso à praça das portagens, em Almada.

Os automobilistas, sobretudo os que circulavam no sentido sul-norte, aderiram ao protesto buzinando desde a passagem sob o viaduto do Pragal até ao tabuleiro da ponte, sem que se tivessem registado incidentes.

"Correu muito bem. Aliás, estava previsto para as 08:00 mas os automobilistas mal nos viram por aqui começaram logo a buzinar. Pensamos que atingimos ou ultrapassamos os objetivos", referiu a responsável pela comissão, que lamentou a falta de diálogo por parte do Governo sobre a questão das portagens, nomeadamente sobre a isenção do pagamento durante o mês de agosto.

"Nós mandamos um ofício a sugerir a medida, mas o ministro não se dignou a responder", lamentou, acrescentando que hoje, pelo menos, o barulho das buzinas vai ser ouvido pelo responsável pelo Ministério do Planeamento e das Infra Estruturas, Pedro Marques.

Segundo Luísa Ramos, a questão das portagens nas pontes 25 de abril e Vasco da Gama "é grave", afeta milhares de cidadãos e deve ser reequacionada com urgência pelo atual Executivo.

"Somos os únicos portugueses que pagam portagens para passar um rio. Por outro lado, estamos numa região muito mal servida de transportes públicos. Os TST são uma desgraça: cortam carreiras e não cumprem horários, a Fertagus e o Metro Sul do Tejo estão fora do sistema do passe social intermodal o que faz com que as pessoas fiquem cada vez mais do carro para cumprirem o direito à mobilidade", comentou a manifestante.

Para a Comissão de Utentes de Transportes da Margem Sul, o primeiro passo devia ser a precisamente a reposição da isenção em agosto, que foi retirada pelo anterior governo (PSP/CDS), em 2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.