Depois do brexit, Portugal mantém 21 eurodeputados

Parlamento Europeu aprovou hoje a futura composição do plenário. Nenhum Estado-Membro perde lugares, após a saída do Reino Unido

Com a saída dos 73 eurodeputados britânicos, depois do brexit, o Parlamento Europeu reduziu em 46 lugares a sua composição e redistribuiu os restantes 27, garantindo que nenhum país perde lugares, foi hoje aprovado pelos atuais deputados da assembleia europeia, com 566 votos a favor, 94 contra e 31 abstenções. Portugal manteve os 27 deputados, tal como outros 12 estados, incluindo a Alemanha (o país que mais deputados elege: 96).

De acordo com uma nota divulgada pelos serviços de imprensa do Parlamento Europeu, os 46 lugares deixados vagos poderão no futuro ser utilizados para eventuais alargamentos da União Europeia a outros países. Essa mesma nota assegura que, "no caso de o Reino Unido continuar a ser membro da UE no início da próxima legislatura, o número de eurodeputados por país manter-se-á inalterado até que o brexit produza efeitos jurídicos".

França e Espanha são os dois países que mais ganham em novos deputados: cinco. A Itália e a Holanda contam com mais três e a Irlanda mais dois. Os outros países que veem aumentado em um deputado o seu número no Parlamento Europeu são a Polónia, Roménia, Suécia, Áustria, Dinamarca, Eslováquia, Finlândia, Croácia e Estónia.

Os países que acompanham Portugal mantendo o seu número de deputados são a Alemanha, Grécia, Bélgica, República Checa, Hungria, Bulgária, Lituânia, Eslovénia, Letónia, Chipre, Luxemburgo e Malta.

As próximas eleições europeias realizam-se entre 23 a 26 de maio do próximo ano.

Os critérios de escolha do número de deputados

A repartição dos lugares segue a evolução demográfica nos estados-membros, com uma fórmula complexa. De acordo com a informação do Parlamento Europeu, os critérios definidos no Tratado da União Europeia determinam "que os representantes dos cidadãos da União não podem ser mais de 750, mais o presidente, que a representação deve ser assegurada de forma degressivamente proporcional, com um limite mínimo de seis eurodeputados por Estado-Membro, e que a nenhum país podem ser atribuídos mais de 96 lugares".

Segundo a nota, "esta 'proporcionalidade degressiva' é definida do seguinte modo: o rácio entre a população e o número de lugares de cada Estado-Membro antes do arredondamento para números inteiros deve variar em função da respetiva população de modo a que cada deputado ao PE de um Estado-Membro mais povoado represente mais cidadãos do que cada deputado ao PE de um Estado-Membro menos povoado e, inversamente, que quanto mais povoado for um Estado-Membro, maior deve ser o seu direito a um número elevado de lugares no PE".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.