Depois de Setúbal, é em Portel que as bombeiras se mostram em calendário

"Não pretendemos tirar fotografias despidas", avisa uma das bombeiras que figura no calendário.

A Associação Humanitária dos Bombeiros de Portel passa por uma fase de dificuldade financeira. Como resposta, as bombeiras da corporação de Portel vão figurar num calendário para 2015, em fotografias em pose de ação.

"Ao início foi um pouco constrangedor, mas depois fomos ganhando confiança", disse Helena Correia, uma das bombeiras da corporação, ao Correio da Manhã.

O calendário é uma das iniciativas da corporação para angariar dinheiro para a Associação. As bombeiras sublinham, porém, que não figuram despidas no calendário. "Nós não pretendemos tirar fotografias despidas", disse à RTP uma das participantes nas sessões fotográficas com o fotojornalista Hugo Raínho. "Queremos tirar fotografias que acima de tudo consigam exemplificar e dignificar a nossa farda".

"Andamos aqui um bocado com a corda na garganta e então surgiram estas ideias", contou ao mesmo canal de televisão o comandante dos bombeiros voluntários de Portel, Arsénio Grilo, "a ver se conseguimos angariar algum dinheiro para fazer face à situação".

A SIC fez uma reportagem sobre o calendário das bombeiras de Portel

Não são a primeira corporação de bombeiros a ter esta ideia. No ano passado, o grupo dos Bombeiros Sapadores de Setúbal fez um calendário para 2014, cujos lucros reverteram para uma instituição de solidariedade social.

O calendário dos bombeiros de Portel continua em produção, mas estará disponível a partir do final de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.