Depois de Setúbal, é em Portel que as bombeiras se mostram em calendário

"Não pretendemos tirar fotografias despidas", avisa uma das bombeiras que figura no calendário.

A Associação Humanitária dos Bombeiros de Portel passa por uma fase de dificuldade financeira. Como resposta, as bombeiras da corporação de Portel vão figurar num calendário para 2015, em fotografias em pose de ação.

"Ao início foi um pouco constrangedor, mas depois fomos ganhando confiança", disse Helena Correia, uma das bombeiras da corporação, ao Correio da Manhã.

O calendário é uma das iniciativas da corporação para angariar dinheiro para a Associação. As bombeiras sublinham, porém, que não figuram despidas no calendário. "Nós não pretendemos tirar fotografias despidas", disse à RTP uma das participantes nas sessões fotográficas com o fotojornalista Hugo Raínho. "Queremos tirar fotografias que acima de tudo consigam exemplificar e dignificar a nossa farda".

"Andamos aqui um bocado com a corda na garganta e então surgiram estas ideias", contou ao mesmo canal de televisão o comandante dos bombeiros voluntários de Portel, Arsénio Grilo, "a ver se conseguimos angariar algum dinheiro para fazer face à situação".

A SIC fez uma reportagem sobre o calendário das bombeiras de Portel

Não são a primeira corporação de bombeiros a ter esta ideia. No ano passado, o grupo dos Bombeiros Sapadores de Setúbal fez um calendário para 2014, cujos lucros reverteram para uma instituição de solidariedade social.

O calendário dos bombeiros de Portel continua em produção, mas estará disponível a partir do final de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.