Delação premiada e enriquecimento ilícito fora do Pacto de Justiça

A deleção premiada e o combate ao enriquecimento ilícito ficaram fora do Pacto de Justiça após juízes, procuradores, advogados, solicitadores e funcionários judiciais não chegarem a consenso, facto lamentado pelo presidente do sindicato de magistrados do Ministério Público.

Após dois dias de reuniões para a conclusão do Pacto de Justiça, o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público lamentou não ter havido consenso nestas duas matérias da área penal, considerando que as medidas aprovadas são "manifestamente insuficientes" para um combate eficaz à criminalidade económica e financeira.

Contudo, António Ventinhas não se mostrou surpreendido com a falta de consenso já que era conhecida a opinião de alguns parceiros da justiça.

A Ordem dos Advogados (OA) já tinha dito publicamente que discordava da delação premiada e que o caminho era melhorar os mecanismos já existentes no direito penal.

Não houve nenhuma organização ou entidade que fosse um bloqueio. Existem convicções e perceções sobre aquilo que é a realidade da justiça e aquilo que é a perspetiva que cada tem da justiça

Para o bastonário da OA as reuniões entre elementos das cinco profissões serviram para "partir pedra e isso é metodologicamente muito mais importante do que chegar necessariamente a um consenso acerca de tudo".

Na conferência de imprensa após a reunião, que foi denominada Cimeira da Justiça, a presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) destacou que, além da delegação premiada e do combate ao enriquecimento ilícito outros "temas importantes ficaram de fora" do pacto.

Sem pormenorizar, Manuela Paupério referiu que entre as mais de 80 medidas que constarão do Pacto, há umas que são mais pormenorizadas e outras sugestões "mais estruturais", ressalvando que as propostas "não implicam a alocação de grandes meios financeiros".

Os parceiros da justiça quiseram deixar claro, com a elaboração de um pacto com mais de 80 medidas para as áreas da organização judiciária, acesso ao direito, justiça económica e combate à criminalidade económico-financeira, que as pessoas do sistema de justiça "conseguem chegar a acordo" sobre importantes matérias e que "os profissionais da justiça estão à procura de forma ativa de soluções", acrescentou Paupério.

Alterações nos mecanismos de cobrança, penhoras e vendas e nos regimes de custas e criação de mecanismos de agilização da investigação e repressão dos crimes económico-financeiros são algumas das 80 medidas do Pacto de Justiça que será entregue nos próximos dias a Marcelo Rebelo de Sousa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.