Deco alerta para máscaras de Carnaval perigosas à venda

Deco comprou 16 artigos de Carnaval. Após análise, concluiu que metade é facilmente inflamável e com lacunas em termos de rotulagem.

A associação de defesa dos consumidores Deco comprou 16 artigos de Carnaval em lojas e hipermercados de Lisboa e concluiu que metade apresentava perigo para as crianças, por arder facilmente.

A compra foi feita, nas duas últimas semanas de janeiro, em lojas da especialidade e em grandes superfícies comerciais da capital, escolhidas aleatoriamente, disse à Lusa Teresa Belchior, técnica da Deco, responsável pelo estudo, hoje divulgado.

Segundo a técnica, oito dos artigos - fatos, máscaras, plumas e barbas - eram facilmente inflamáveis, ardiam "ao fim de alguns segundos" quando colocados perto do fogo, com as chamas a propagarem-se a uma velocidade "acima do permitido por lei".

Teresa Belchior adiantou que os adereços analisados tinham também lacunas em termos de rotulagem, como a indicação errada de 'este produto não é um brinquedo', apesar do tamanho do artigo ser adequado para menores.

A Deco - Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor indicou que vai expor o assunto à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica, exigindo "a aplicação de sanções às empresas que contribuem para a exposição das crianças a perigos acrescidos".

A associação anunciou que irá disponibilizar um formulário na Internet para a denúncia de brinquedos perigosos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.