De líder do PSD a professor universitário. Para já...

Pedro Passos Coelho deixa no domingo o leme do partido. E vai dedicar-se a dar aulas em várias universidades

No domingo, Pedro Passos Coelho deixa de ser líder do PSD. A pasta será entregue a Rui Rio, após quase oito anos a comandar o partido, dos quais quatro a governar o País. Para já, o líder cessante social-democrata irá dedicar-se à vida académica. O líder cessante tenciona dar aulas em várias universidades, apurou o DN.

Na última iniciativa partidária em que participou, a tomada de posse da nova concelhia de Lisboa, na semana passada, o líder cessante garantiu que o partido conta com ele, mas "agora os protagonistas são outros". É por isso, que dentro dos próximos tempos se manterá arredado da política ativa, disseram ao DN fontes que lhe são próximas. A longo prazo a convicção já não é a mesma. No último domingo, Marques Mendes admitia a hipótese de no futuro Passos poder protagonizar uma candidatura à Presidência da República.

Passos deixa a liderança, e apesar de todas as críticas de que foi alvo por parte de opositores internos - incluindo Rui Rio - mas reúne consenso de ter sido "corajoso" na condução do governo, em tempo de crise profunda no País.

Nas últimas diretas, em 2016, sem rivais à vista, Passos foi eleito com 95% dos votos, o melhor resultado de um candidato único na história do partido. Já tinha perdido o governo para o PS de António Costa, que de braço dado com PCP e BE, conseguiu a maioria parlamentar que lhe faltou para um novo mandato em São Bento . O partido confiou nele. Porque não haveria de confiar se ganhou as eleições legislativas, após quatro anos de austeridade? E que reviravolta houve para que de líder incontestado sentisse que já não tinha condições para continuar a liderar a oposição? Novas eleições, as autárquicas, sobretudo o mau resultado que obteve em Lisboa - depois de ter apostado pessoalmente em Teresa Leal Coelho para encabeçar a lista do partido à capital - ditaram a sua saída.

Poder-se-á dividir em dois tempos a fase de oposição ao Governo PS. Numa primeira, seguindo todas as profecias de um falhanço estrondoso da geringonça, Passos agarrou-se a essa ideia de descalabro para o país a entrada em cena do PCP e do BE na governação. A imagem da "vinda do diabo" desemboca nessa convicção de que Costa e o plano económico-financeiro de Mário Centeno não iam resultar. Adversários acusaram-no de muito fel por não ter conseguido formar governo e ver-se impedido de governar sem o espartilho da troika.

À medida que os resultados económicos do atual executivo foram surgindo - o crescimento do país foi mais do que o esperado, o desemprego caiu, o défice foi reduzido e a dívida também -, os argumentos do líder cessante do PSD tiveram que se ajustar. Passos tornou-se mais agressivo para o adversário socialista e insistiu muito na ideia que o País poderia estar a crescer muito mais do que está se não tivessem sido feitas tantas reversões nas políticas do governo anterior.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.