Dados sobre despesas de Saúde revelam "desinvestimento"

A despesa global em saúde aumentou 3% em 2017, equivalente a 17,3 mil milhões de euros, representando uma redução em relação a 2015 (3,3%) e 2016 (4,4%), referem os dados do INE

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considerou que os dados divulgados hoje na Conta Satélite da Saúde Estatística retratam "o desinvestimento na saúde em Portugal" e "o agravamento das despesas suportadas pelas famílias".

A despesa global em saúde aumentou 3% em 2017, equivalente a 17,3 mil milhões de euros, representando uma redução em relação a 2015 (3,3%) e 2016 (4,4%), referem os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), segundo os quais a despesa dos portugueses com a saúde subiu 4,5% em 2016, em especial no recurso ao setor privado.

Aquilo que é a essência do Serviço Nacional de Saúde está claramente a ser afetado naquilo que é o seu código genético, os seus objetivos primordiais, que é ser um serviço universal, tendencialmente gratuito, e equitativo para todos os portugueses

"O que a Conta Satélite revela é que o desinvestimento na saúde continua a agravar-se, porque o Orçamento do Estado para a saúde cobre cada menos as despesas globais em saúde do país e os portugueses, tal como o relatório deixa claro, nos últimos anos, 2017 ainda vai ser avaliado, gastam cada vez mais diretamente do seu bolso ou através de seguros na saúde", disse Miguel Guimarães à agência Lusa.

Portanto, vincou, "aquilo que é a essência do Serviço Nacional de Saúde está claramente a ser afetado naquilo que é o seu código genético, os seus objetivos primordiais, que é ser um serviço universal, tendencialmente gratuito, e equitativo para todos os portugueses".

Miguel Guimarães considerou que, neste momento, não se conseguem cumprir estes objetivos e advertiu que se nada for feito "entre este e o próximo ano a situação vai de tal maneira agravar-se" que a despesa global em saúde vai depender em mais de 50% diretamente dos bolsos dos portugueses e menos de 50% do orçamente do Estado.

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, o Governo "não pode continuar a ter objetivos puramente economicistas no sentido de reduzir o défice e ter uma imagem externa mais forte"

"A tendência cai nesse sentido", disse, considerando que estes dados significam "uma chamada de atenção para o Governo" que tem que "valorizar mais a saúde das pessoas".

Para o bastonário, o Governo "não pode continuar a ter objetivos puramente economicistas no sentido de reduzir o défice e ter uma imagem externa mais forte".

"Eu sei que isso é importante, mas não podemos apostar tudo numa área e desvalorizar completamente as outras", que é o que está a acontecer na Saúde, Educação e Justiça que precisam claramente e com urgência de mais investimento, defendeu.

A despesa com Saúde aumentou 3% em 2017, o que significa uma redução em relação aos dois anos anteriores, tendo atingido os 17,3 milhões de euros, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os portugueses gastaram sobretudo nos prestadores privados (40,8% em prestadores de cuidados de saúde em ambulatório e 14,3% em hospitais), em farmácias (24%) e nas outras vendas de bens médicos (10,3%).

Em 2015, as famílias suportavam já 27,7% do total de despesa em Saúde, acima da média da União Europeia, que se situava nos 15,3%.

Para Miguel Guimarães, esta tendência tem de ser contrariada, esperando que as estimativas preliminares do INE para uma desaceleração das despesas familiares em 2017 se confirmem.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.