Marcelo sobre o desemprego: dados do INE traduzem "evolução já prevista"

Presidente da República diz que descida da taxa de desemprego em Maio "é um fator positivo que se deve reconhecer"

A taxa de desemprego de 9,2% registada em maio "é a continuação de uma evolução já prevista", disse esta sexta-feira o Presidente da República.

"É um fator positivo que se deve reconhecer", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa, numa resposta curta aos jornalistas no final da sua visita ao Instituto Universitário Militar (IUM), em Pedrouços (Lisboa).

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou hoje que a taxa de desemprego em maio deste ano foi de 9,2%, menos 0,3 pontos percentuais que no mês anterior e menos 0,7 em relação a três meses antes.

O Chefe do Estado escusou-se a fazer quaisquer outros comentários e sobre outros temas, incluindo o que já foi tornado público da sua entrevista ao DN e que será publicada domingo.

"Vamos esperar que a entrevista seja publicada, seria original comentar uma entrevista antes de ser publicada", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Recorde-se que o Presidente diz na entrevista ao DN que não lhe "passa pela cabeça que, quem quer que seja, a pretexto de desdramatizar, possa minimizar o apuramento cabal dos factos e das responsabilidades" e que "em democracia não há desaparecimento de vítimas".

"É verdade que há debate político, em democracia há debate político, há período pré-eleitoral, estamos a dois meses das eleições autárquicas", reconhece Marcelo, pedindo "cabeça frita [e] serenidade" nesse debate.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.