Marcelo sobre o desemprego: dados do INE traduzem "evolução já prevista"

Presidente da República diz que descida da taxa de desemprego em Maio "é um fator positivo que se deve reconhecer"

A taxa de desemprego de 9,2% registada em maio "é a continuação de uma evolução já prevista", disse esta sexta-feira o Presidente da República.

"É um fator positivo que se deve reconhecer", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa, numa resposta curta aos jornalistas no final da sua visita ao Instituto Universitário Militar (IUM), em Pedrouços (Lisboa).

O Instituto Nacional de Estatística (INE) revelou hoje que a taxa de desemprego em maio deste ano foi de 9,2%, menos 0,3 pontos percentuais que no mês anterior e menos 0,7 em relação a três meses antes.

O Chefe do Estado escusou-se a fazer quaisquer outros comentários e sobre outros temas, incluindo o que já foi tornado público da sua entrevista ao DN e que será publicada domingo.

"Vamos esperar que a entrevista seja publicada, seria original comentar uma entrevista antes de ser publicada", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa.

Recorde-se que o Presidente diz na entrevista ao DN que não lhe "passa pela cabeça que, quem quer que seja, a pretexto de desdramatizar, possa minimizar o apuramento cabal dos factos e das responsabilidades" e que "em democracia não há desaparecimento de vítimas".

"É verdade que há debate político, em democracia há debate político, há período pré-eleitoral, estamos a dois meses das eleições autárquicas", reconhece Marcelo, pedindo "cabeça frita [e] serenidade" nesse debate.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.