Curiosidade motivou 69,7% das consultas a dados fiscais de Passos, diz diretor demissionário

António Brigas Afonso escreve na carta de demissão as conclusões de uma auditoria desencadeada em novembro do ano passado.

Uma auditoria interna a consultas de dados pessoais do primeiro-ministro, Passos Coelho, concluiu que 69,7% dessas consultas foram feitas por mera curiosidade, afirma o diretor demissionário da Autoridade Tributária (AT) na carta de demissão enviada ao Governo.

A auditoria foi desencadeada em novembro do ano passado, pela Direção de Serviços de Auditoria Interna (DSAI), na sequência de um despacho do diretor demissionário da Autoridade Tributária (AT), Brigas Afonso, que visava apurar a origem de uma eventual violação do segredo fiscal do primeiro-ministro, Passos Coelho, na sequência de notícias sobre a sua situação fiscal.

Face aos resultados da auditoria, Brigas Afonso diz que o mesmo foi por ele visto "com preocupação, não tendo no entanto dado conhecimento" do mesmo à tutela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.