Antiga sede dos CTT em Lisboa vendida por 25 milhões

Há um ano, a 15 de dezembro de 2016, a empresa tinha celebrado o contrato-promessa de compra e venda dos imóveis

Os CTT - Correios de Portugal formalizaram a venda dos imóveis onde funcionava a antiga sede dos correios nacionais, em Lisboa, num valor global de 25 milhões de euros.

Em comunicado, é referido que os CTT -- Correios de Portugal assinaram na sexta-feira a escritura pública de venda definitiva dos imóveis na propriedade da empresa na Rua de São José, em Lisboa, (anterior sede dos CTT), não sendo referido o nome do comprador. O anúncio foi feito hoje pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

"O montante total recebido pela empresa relativo à venda dos referidos imóveis corresponde ao preço contratado (o que representará uma mais-valia contabilística de cerca de 16 milhões de euros, com um impacto fiscal de cerca de dois milhões de euros)", segundo a empresa.

Há um ano, a 15 de dezembro de 2016, a empresa tinha celebrado o contrato-promessa de compra e venda dos imóveis.

Na altura, a empresa adiantava que a escritura, que decorria da alienação, deveria acontecer "no prazo máximo de 12 meses" e estava "apenas condicionada ao não exercício de direito de preferência na venda destes imóveis pelas autoridades administrativas que legalmente beneficiam de tal direito".

Os CTT referiam ainda que tinham recebido um sinal de 2,5 milhões de euros, a descontar ao preço global dos imóveis.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...