Cristas quer que Costa esclareça questão da declaração de rendimentos

Líder do CDS diz que primeiro-ministro tem de falar, "dado o nível de incompreensão e ruído que este assunto atingiu"

A líder do CDS-PP defendeu hoje em Vale de Cambra que é tempo de o primeiro-ministro dar esclarecimentos sobre a apresentação da declaração de rendimentos dos gestores da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

"Dado o nível de incompreensão e ruído que este assunto atingiu, só há uma pessoa que pode prestar esclarecimentos finais sobre esta matéria e essa pessoa é o primeiro-ministro", declarou Assunção Cristas.

A líder do CDS-PP, que falava à margem do encontro de autarcas populares que decorreu naquele concelho do distrito de Aveiro, respondia assim a perguntas dos jornalistas sobre declarações do secretário Adjunto, do Tesouro e das Finanças, Ricardo Félix.

Segundo o governante, não foi assinado qualquer documento de compromisso com a nova administração da CGD, liderada por António Domingues.

Na sexta-feira, também questionado pelos jornalistas, o ministro das Finanças, Mário Centeno, foi evasivo acerca de um eventual acordo por escrito entre o Governo e o presidente da CGD sobre declarações de rendimentos, referindo que "o único compromisso" do Governo em relação ao banco em Portugal "é o de que se manterá um banco público, capitalizado de maneira a poder desempenhar o papel que tem de desempenhar no sistema financeiro e na economia portuguesa e um banco que seja competitivo".

"Exigimos que seja ele [o primeiro-ministro, António Costa] a responder, porque não se pode esconder mais atrás de ministros ou de secretários de Estado", realçou hoje Assunção Cristas.

Recordando que o CDS remeteu na sexta-feira um requerimento por escrito a António Costa, a líder partidária admitiu que o governante tem ainda 29 dias para responder a essas questões, mas afirmou que "se o Governo foi tão rápido a arranjar um secretário de Estado de segunda linha para vir dar uma resposta ao país, então também pode ser rápido a escrever para responder ao CDS".

Para a líder dos populares, a reação de António Costa tanto pode ser oral como escrita, desde que seja "uma resposta política" e "clara".

A questão da existência de um eventual acordo por escrito entre o Governo e o presidente da CGD sobre as declarações de rendimentos foi levantada na sexta-feira pelo PSD, que instou o Governo a desmentir a existência desse mesmo acordo.

O chefe da bancada do PSD, Luís Montenegro, falava no parlamento na sequência de declarações do comentador António Lobo Xavier, que, na quinta-feira à noite, no programa "Quadratura do Círculo" - na SIC Notícias -, declarou haver um compromisso por escrito entre o Governo e António Domingues em torno da não apresentação das declarações de património e rendimentos dos gestores ao Tribunal Constitucional por parte da nova equipa de gestão do banco público.

Segundo as notícias que têm vindo a público, a equipa entende que não está obrigada a fazê-lo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.