Cristas desafia o Governo a baixar imposto sobre combustíveis

No dia em que os combustíveis subiram mais uma vez, a presidente do CDS desafiou o Governo a cumprir a promessa de baixar a carga fiscal neste setor quando a matéria-prima sobe

A presidente do CDS-PP desafiou esta segunda-feira o Governo a apoiar os setores produtivos, como agricultura e pescas, seja através de uma "neutralidade fiscal" em matéria de combustíveis, seja por uma compensação nacional em caso de perdas nos fundos comunitários.

No arranque das jornadas do CDS-PP, em Viana do Castelo, sobre "Portugal: a Europa e o Mar", Assunção Cristas justificou a escolha dos fundos comunitários como tema central por se estar "numa fase essencial da negociação europeia" sobre o próximo quadro comunitário de apoio.

"O que temos neste momento é uma proposta da Comissão Europeia que é negativa", afirmou, alertando que pode haver uma quebra de 25% no segundo pilar dos apoios europeus, o que pode significar "cortes profundíssimos no investimento produtivo em Portugal".

Por esse motivo, o CDS-PP já apresentou em janeiro um projeto de resolução sobre fundos europeus "com objetivos ambiciosos", que irá ser debatido no parlamento em 30 de maio, e Assunção Cristas frisou que o partido foi "o único a fazê-lo" e antes do acordo celebrado entre o Governo e o PSD sobre este tema.

Assunção Cristas salientou que a neutralidade fiscal "foi algo que o Governo prometeu", e acusou o executivo de "brincar com as palavras e enganar os portugueses"

"O Governo tem, primeiro, a responsabilidade junto da Comissão Europeia de tentar ter um melhor resultado negocial. Dois, tem que se preparar, no caso de não conseguir atingir todos os seus objetivos, para compensar ao nível das políticas nacionais e há alguma margem", defendeu.

No dia em que os combustíveis subiram mais uma vez, Assunção Cristas desafiou ainda o Governo a cumprir a sua promessa de baixar a carga fiscal neste setor quando a matéria-prima sobe.

"O CDS há tanto tempo apresentou projetos no parlamento para que o Governo cumpra a sua palavra e garanta a neutralidade fiscal nesta matéria para que não haja uma escalada de preços dos combustíveis que afetam diretamente os setores produtivos", frisou.

Assunção Cristas salientou que a neutralidade fiscal "foi algo que o Governo prometeu", e acusou o executivo de "brincar com as palavras e enganar os portugueses".

No final de uma reunião com a Cooperativa de Produtores de Pesca de Viana dos Castelo, e na qual ouviu várias queixas do setor até relativas aos tempos em que foi ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas deixou outra pergunta ao Governo sobre o navio de investigação científica "Mar Portugal", que o anterior executivo PSD/CDS-PP terá deixado praticamente pronto e com capacidade para 53 cientistas.

"É inconcebível que dois anos e meio depois de este Governo tomar posse (...) o navio ainda esteja parado. É falta de interesse? É falta de prioridade? É mais uma vez o efeito das cativações?", questionou.

Antes da reunião em Viana do Castelo, Assunção Cristas e os restantes deputados democratas-cristãos ainda passaram na Câmara de Ponte de Lima -- liderada desde 1976 pelo CDS-PP -- e visitaram uma exploração agrícola no concelho, com vinhas várias vezes premiadas.

A abertura formal das jornadas deu-se pelas 15:00, com uma intervenção do líder parlamentar, Nuno Magalhães, seguindo-se o primeiro painel temático dedicado aos fundos europeus.

Serão oradores neste painel o eurodeputado do CDS-PP Nuno Melo, o secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Luís Mira, e António Braz Costa, Diretor Geral do Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário (CITEVE) e administrador executivo do CeNTI (Centro de Nanotecnologia e Materiais Funcionais e Inteligentes).

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.