Cristas desafia Costa para debate sobre arrendamento

Líder do CDS recusa "calamidade pública" com despejos de inquilinos. "Há muitos sinais positivos desta reforma", replicou

Com o debate quinzenal terminado (e enquanto o primeiro-ministro ainda debatia com os deputados o próximo Conselho Europeu), a presidente do CDS, Assunção Cristas, desafiou o primeiro-ministro para debater a reforma do arrendamento, que foi feita no anterior executivo, quando Cristas era então a ministra da tutela, e que serviu hoje (uma vez mais, queixou-se a deputada centrista) como arma de arremesso de António Costa.

"Não é no tempo do debate quinzenal que se se consegue fazer uma explicação fundada dos objetivos dessa reforma", começou por dizer a líder do CDS, para logo deixar o desafio a Costa e... aos jornalistas.

"Entendi desafiar o primeiro-ministro e de certa forma os órgãos de comunicação social para que eu e o primeiro-ministro possamos então esclarecer, apresentar os factos e verificar que a dita calamidade pública que o primeiro-ministro se refere não existe, não aconteceu, pelo contrário, há muitos sinais positivos desta reforma", sublinhou Assunção Cristas. "Fica feito o desafio, espero que algum órgão de comunicação social se possa interessar", disse.

No debate quinzenal, o primeiro-ministro recordou à líder do CDS que esta foi ministra com a pasta da habitação entre 2011 e 2015 ("não foi só ministra da lavoura") e acusou-a de ter criado uma "calamidade social" com a sua lei das rendas, que "liberalizou o mercado". "Criou uma crise social em Portugal e criou conscientemente porque foi avisada por toda a gente do que iria acontecer", disse Costa, recordando que ele próprio enquanto presidente da câmara de Lisboa a alertou para o que resultaria da nova lei das rendas.

Questionada pelos jornalistas, Cristas insistiu que António Costa, então autarca, dizia uma coisa aos eleitores e cidadãos a quem pedia o voto na rua e dizia outra aos investidores imobiliários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.