Cristas critica PCP e BE por se "evaporarem" quando notícias não são boas

Líder do CDS diz que o Governo é na realidade do PS, do Bloco de Esquerda, do PCP e dos Verdes "para o bem e para o mal"

A presidente do CDS-PP criticou hoje, durante uma visita à Feira da Golegã, os partidos que sustentam o Governo no parlamento por reclamarem as "boas notícias" para si e se "evaporarem" quando há problemas.

Afirmando que o Governo é na realidade do PS, do Bloco de Esquerda, do PCP e dos Verdes "para o bem e para o mal", Assunção Cristas disse ser inaceitável que "quando há uma boa notícia todos a queiram reclamar para si e quando falta dinheiro nos hospitais, quando as cirurgias são adiadas, quando as consultas não existem, quando há surtos" como o da 'legionella', "nessa altura parece que ninguém suporta o Governo, que PCP e Bloco de Esquerda se evaporam, já não estão lá, e de repente querem vir fazer oposição".

"Todos são corresponsáveis, todos são responsáveis pelas falhas, pelas dificuldades, pela degradação dos serviços públicos, da saúde à educação, aos transportes públicos, à qualificação profissional", acrescentou.

Comentando a notícia do Expresso de hoje, de que as medidas negociadas, no âmbito do Orçamento do Estado, pelo Governo com o PCP e o BE pesam 1,2 mil milhões de euros até 2019, em boa medida para as pensões, Cristas afirmou que às "boas medidas", nomeadamente na área dos rendimentos, se junta "outro custo, que é muito importante ser sinalizado porque, a dada altura, dá impressão que a austeridade acabou, mas a austeridade não acabou".

"Está aí, mas de forma encapotada em todos os orçamentos do Estado e com um efeito muito grave muitas vezes para a vida das pessoas", acrescentou, referindo-se às cativações "que se tornam em cortes definitivos e que muitas vezes afetam áreas fundamentais" da vida do país.

Assunção Cristas exigiu ainda que o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, dê "rapidamente" uma explicação sobre o surto de 'legionella', que "infelizmente já levou à morte de quatro pessoas", e "tranquilize" o país, "dizendo que tudo está a ser feito para que nada disto volte a acontecer".

A líder do CDS-PP visitou hoje a Feira da Golegã, evento que reúne a centenária Feira de S. Martinho e as feiras Nacional do Cavalo e Internacional do Cavalo Lusitano, trazendo milhares de visitantes a esta vila do distrito de Santarém.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?