Cristas compra romances e poesia na feira e aconselha livro de autoajuda a Costa

Durante a visita à feira do livro, a líder do CDS-PP repetiu as críticas ao Governo pela rutura das negociações com os sindicatos dos professores

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, fez hoje uma rápida visita à Feira do Livro, em Lisboa, comprou romances, poesia para si e para a família e aconselhou um livro de autoajuda para o primeiro-ministro.

"Ai... isso agora é muito difícil. Talvez [aconselhe] um livro de autoajuda. O primeiro-ministro precisa de muita ajuda para conseguir manter a sua solução de governo a funcionar. As esquerdas já estiveram mais encostadas", disse a líder centrista, depois de visitar alguns stands das editoras.

Vinda do parlamento, do debate quinzenal com António Costa, e a caminho do aeroporto, de onde parte para uma visita a Timor-Leste, Assunção Cristas guardou 45 minutos para ir comprar livros: uns são livros infantis, para os filhos, outros para a própria ler.

A líder do CDS-PP explicou que tem por hábito ir com a família visitar a feira, que considerou ser "uma tentação", porque gosta muito de "livros e de ler".

E é "um programa por excelência" para ensinar as crianças, os filhos, a gostar da leitura e dos livros, acrescentou.

Assunção Cristas subiu e desceu uma das ruas da feira, comprou dois sacos de livros e recebeu um balão azul em forma espada, feito por um palhaço que aproveitou para pedir que levasse "cumprimentos ao senhor Marcelo", o Presidente da República.

De resto, de política repetiu, por outras palavras, as críticas ao Governo pela rutura das negociações com os sindicatos dos professores e defendeu o diálogo com os docentes.

"O Governo tem que conseguir sentar-se com as pessoas que possam fazer esse caminho [de diálogo] para encontrar uma solução. Não é aceitável um Governo a fechar a porta. Há que dialogar, trabalhar e encontrar uma solução", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.