Cristas compra romances e poesia na feira e aconselha livro de autoajuda a Costa

Durante a visita à feira do livro, a líder do CDS-PP repetiu as críticas ao Governo pela rutura das negociações com os sindicatos dos professores

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, fez hoje uma rápida visita à Feira do Livro, em Lisboa, comprou romances, poesia para si e para a família e aconselhou um livro de autoajuda para o primeiro-ministro.

"Ai... isso agora é muito difícil. Talvez [aconselhe] um livro de autoajuda. O primeiro-ministro precisa de muita ajuda para conseguir manter a sua solução de governo a funcionar. As esquerdas já estiveram mais encostadas", disse a líder centrista, depois de visitar alguns stands das editoras.

Vinda do parlamento, do debate quinzenal com António Costa, e a caminho do aeroporto, de onde parte para uma visita a Timor-Leste, Assunção Cristas guardou 45 minutos para ir comprar livros: uns são livros infantis, para os filhos, outros para a própria ler.

A líder do CDS-PP explicou que tem por hábito ir com a família visitar a feira, que considerou ser "uma tentação", porque gosta muito de "livros e de ler".

E é "um programa por excelência" para ensinar as crianças, os filhos, a gostar da leitura e dos livros, acrescentou.

Assunção Cristas subiu e desceu uma das ruas da feira, comprou dois sacos de livros e recebeu um balão azul em forma espada, feito por um palhaço que aproveitou para pedir que levasse "cumprimentos ao senhor Marcelo", o Presidente da República.

De resto, de política repetiu, por outras palavras, as críticas ao Governo pela rutura das negociações com os sindicatos dos professores e defendeu o diálogo com os docentes.

"O Governo tem que conseguir sentar-se com as pessoas que possam fazer esse caminho [de diálogo] para encontrar uma solução. Não é aceitável um Governo a fechar a porta. Há que dialogar, trabalhar e encontrar uma solução", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".