Crise vai aumentar procura da pílula gratuita

A procura de pílulas gratuitas nos serviços de saúde deverá aumentar com as dificuldades financeiras decorrentes da crise, prevê a Associação para o Planeamento da Família, que alerta para a importância de não haver ruturas de stock.

Hoje assinala-se o Dia Mundial da Contraceção e, segundo o diretor executivo da Associação para o Planeamento da Família, atualmente os portugueses têm menos capacidade para comprar, na farmácia, a contraceção, como antes acontecia.

Para a APF é ainda importante reforçar os programas de informação sobre contraceção junto dos grupos que estão mais afastados dos serviços de saúde, como os jovens e as pessoas em situações de pobreza que se autoexcluem da proteção social.

Os especialistas na área da contraceção apelam também para um reforço da utilização de outros métodos além da pílula, como o anel vaginal ou o adesivo.

Em Portugal, mais de 60% das mulheres escolhem como método contracetivo a pílula, mas existem muitos outros que são menos conhecidos.

Também a Sociedade Portuguesa de Contraceção sublinha a importância destes métodos "com pouca procura pela população portuguesa", como afirmou à Lusa Teresa Bombas.

Para esta responsável da Sociedade, na impossibilidade de os distribuir gratuitamente, deveria ser equacionada, pelo menos, a sua comparticipação estatal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.